Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Num plenário esvaziado devido a um rígido controle de segurança, Ministério da Saúde e Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde aprovaram nessa quinta a reformulação da política de saúde mental. O novo modelo reforça o papel de hospitais psiquiátricos, que voltam a fazer parte da rede de atendimento, e incentiva a criação de enfermarias especializadas em hospitais gerais – com preferência para aquelas que reúnem maior número de pacientes.

O formato é considerado por parte de especialistas como um retrocesso à lei de 2001, que determinou o fim da rede centrada nos hospitais e deu espaço para o atendimento ambulatorial. O vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Paulo Amarante avalia que a resolução abre a porteira para o retorno do modelo manicomial.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, classificou como “inadequadas” as críticas feitas à reformulação da política de saúde mental. Para ele, a crítica é puramente ideológica, que não tem nada a ver com o mundo real.

Com informações do Isto É