Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Justiça Federal divulgou um acordo entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e o Governo Federal para a instalação de 1.140 novos radares para monitorarem 2.278 faixas de rodovias federais não privatizadas. A medida afeta as dez rodovias federais cearenses e é resultado de uma ação popular movida há 3 meses contra a suspensão de instalação de radares definida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em abril, o Ministério da Infraestrutura suspendeu um plano de instalação de radares para monitorar 8 mil pontos em rodovias federais não privatizadas. No mesmo mês, a partir da ação popular movida pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES) , a Justiça determinou que a União não retirasse radares e renovasse contratos prestes a vencer.

Como solução, o governo fez um acordo com o Ministério Público Federal, para a instalar 1.140 aparelhos para monitorar 2.278 faixas.

De acordo com a sentença da juíza Diana Wanderlei, da 5ª Vara Federal em Brasília, o Dnit, responsável pelas rodovias não privatizadas, tem um prazo de 2 meses após a homologação do acordo para apresentar estudos e instalar os radares nas áreas urbanas com grau de necessidade média, alta e muito alta e nas áreas rurais de com nível de necessidade alta e muito alta.