Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O consumidor de gás liquefeito de petróleo (GLP), o chamado gás de cozinha, poderá encher o botijão de forma parcial, sem ser obrigado a comprar ele cheio, como ocorre hoje. Essa é uma das medidas que podem ser implementadas pelo governo nos próximos meses dentro da política de abertura do mercado de gás natural no país. A informação foi dada pelo diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Odoni, em cerimônia no Palácio do Planalto para o lançamento do programa Novo Mercado de Gás.

O assunto ganhou destaque no Bate Papo Político (104.3 na Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior do Estado + Redes Sociais) desta quarta-feira (24), entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida. Durante a conversa, o jornalista Beto Almeida comentou que a medida pode ser uma alternativa que trará a economia popular para ajudar quem precisa.

Segundo a Agência Brasil, novas regras para o GLP devem ser discutidas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em uma reunião prevista para o final de agosto. Além do fracionamento do gás de cozinha, o governo quer permitir o enchimento do mesmo botijão por diferentes marcas, o que é proibido, como esclarece o Décio Odoni.

“Mesmo em condições seguras, não é permitido o engarrafamento de botijões de uma marca distinta da estampada no vasilhame. A troca dos botijões entre as distribuidoras gera custos adicionais de logística. Está em estudo a liberação do botijão sem marca e o enchimento de vasilhames de outras marcas”

Outra mudança pode ser a opção de o consumidor levar o botijão de gás vazio diretamente para locais de enchimento, sem precisar devolver o vasilhame e pagar pelo volume residual que permanece no recipiente ao final do uso.