Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A escassez de chuvas e o projeto do Governo do Estado de dessalinização da água do mar para o consumo da população ganhou destaque, nessa quarta-feira, na imprensa brasileira. Uma reportagem do Jornal O Estado de São Paulo destaca que, com a seca histórica que há seis anos não dá trégua à Região Nordeste, o governo do Ceará decidiu adotar uma medida extrema para garantir o abastecimento humano de água.

O governo cearense, conforme a reportagem, decidiu instalar, no litoral de Fortaleza, uma unidade de dessalinização da água do mar, para complementar o atendimento à população. O plano é que, até 2020, parte dos habitantes da cidade passe a matar a sede bebendo água do mar.

Até maio, o Estado vai receber dois estudos técnicos sobre o projeto, que tem orçamento estimado em cerca de R$ 500 milhões. Uma empresa sul-coreana e outra espanhola foram escolhidas no fim de 2017 para apresentar propostas de engenharia, com indicação do melhor modelo tecnológico para retirar o sal da água e o melhor local para sua instalação.

A meta do governo é de que a água retirada do Oceano Atlântico atenda pelo menos 720 mil habitantes de Fortaleza. A capital consome hoje cerca de 8 m³ de água por segundo. A planta de dessalinização tem projeção de entregar 1 m³ de água tratada por segundo, o equivalente a 12% do consumo na cidade.

O objetivo é reduzir a dependência de Fortaleza das águas do Açude do Castanhão, que fica a 280 quilômetros da capital. Principal caixa d’água que abastece a cidade, o reservatório vive sua pior situação desde 2002, quando entrou em operação, com apenas 3% do que teria capacidade de armazenar.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp