Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma luz amarela está no Palácio do Planalto. É crescente entre os aliados do Palácio do Planalto o temor em relação à votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara. Parlamentares alinhados com Temer reclamam que agora os líderes da base terão de mostrar que defendem o presidente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Mas a tarefa não será simples. Principal partido aliado ao governo, o PSDB voltou a discutir o rompimento imediato.

Os aliados mais fieis do Planalto passaram a defender abertamente a interferência dos líderes na atual composição da CCJ para evitar uma derrota. Na própria quarta-feira, o líder do Solidariedade, Áureo (RJ), retirou-se da comissão para dar lugar a Laércio Oliveira (SD-SE).

O partido, comandado pelo deputado Paulo Pereira da Silva, da Força Sindical, vem negociando com o Planalto a volta do imposto sindical e já havia retirado da comissão na semana passada o deputado Major Olímpio (SP), que é crítico de Temer.

O líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), cobra dos demais líderes controle sobre os membros da comissão: ‘’Os líderes do governo têm que se mostrar mais e têm que trocar mesmo os integrantes da CCJ, se for preciso’’

Parlamentares tucanos que apoiaram o adiamento de uma decisão sobre o desembarque do governo na Executiva do partido, há cerca de três semanas, migraram de posição e passaram a defender, na quarta, que o desembarque ocorra logo após a votação da reforma trabalhista no Senado, na semana que vem.

A contabilidade no Senado é de sete senadores tucanos, entre um total de 11, favoráveis ao desembarque. Apenas Aécio Neves (MG), José Serra (SP), Ataídes Oliveira (TO) e Paulo Bauer (SC) ainda resistiriam à saída da base. Presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), que vinha adiando o rompimento, disse que o quadro mudou:

‘’Embora o discurso de Aécio tenha sido de permanecer no governo, ele tem que enfrentar os fatos. A posição de desembarque está cada vez mais clara no partido e cabe ao presidente apenas chancelar. Tem coisas que a gente não controla’’, firmou Tasso Jereissati.

Na Câmara, o placar estimado pelo líder do PSDB, Ricardo Tripoli (SP), é de seis votos favoráveis à denúncia, contra um apoio a Temer na CCJ. Desta forma, explica Trípoli, a permanência na base aliada seria incoerente. 

Com informações da redação, do Jornal O Globo e do Correio Braziliense.