Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado, informatizou todo o processo de atendimento aos doadores em coletas externas realizadas nos municípios de Iguatu, Crato e Juazeiro do Norte. Além de agilizar a captação de doações, a novidade traz mais comodidade para a população e extingue o uso do papel.

A informatização teve início em Fortaleza e nos hemocentros regionais localizados em Quixadá e Sobral. Com o investimento em tecnologia, as informações dos doadores são registradas em tempo real no Sistema de Banco de Sangue (SBS), desde o momento do cadastro até a realização da coleta. A coordenadora do Gerenciamento do Sistema do Ciclo do Sangue, Michele Castelo Branco, destaca as vantagens do processo.

O principal benefício da coleta externa informatizada é a segurança, rastreabilidade, agilidade e redução de custos. As bolsas coletadas são cadastradas online no sistema. Isso permite que os setores trabalhem com maior rapidez, por exemplo. Enquanto acontece o processamento das bolsas em um setor, simultaneamente os laboratórios já conseguem passar os resultados.

Antes, com a coleta manual, uma ficha era preenchida e só depois os dados eram repassados para o sistema. Somente após esta etapa é que os procedimentos para liberação das bolsas tinham início. A doação levava, em média, de 24h a 48h para ser cadastrada no sistema.

“A informatização das coletas externas permite que, durante o processo da doação, todo o histórico do doador seja consultado. Isso garante a total rastreabilidade do processo dentro do sistema, com maior segurança para doadores e pacientes. A padronização da informatização em toda coleta da hemorrede do Ceará é um marco histórico”, disse Denise Brunetta, diretora de hemoterapia do Hemoce.

(*)com informação do Governo do Estado do Ceará