Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

No Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara (HGWA), as crianças encontram, além de atendimento especializado, um espaço onde a brincadeira prevalece. Em 2005, a unidade do Governo do Ceará passou a contar com o Instituto Borboleta, que dispõe de uma brinquedoteca na qual a garotada passa boa parte do tempo.

Quem passa pelo corredor da Clínica Pediátrica II encontra facilmente os pequenos correndo em direção ao Instituto. Colorido e repleto de brinquedos, o local oferece momentos de lazer às crianças internadas no HGWA. A partir da porta de entrada, só é permitido prosseguir descalço. Mãozinhas e pezinhos deslizam livremente pelo espaço, manipulando carrinhos, blocos e peças de encaixe.

“A chegada ao hospital exerce um impacto grande sobre as crianças. Elas têm medo das pessoas de branco. A minha farda é branca justamente para mostrar a elas que as pessoas de branco não vão fazer mal”, explica a educadora social do instituto, Jane Cleide Moura de Souza.

As mães acompanham de perto os momentos de brincadeira. A filha de Elidamina Sales está internada no HGWA para tratar uma pneumonia. Mesmo com doente, Sofia, de três anos, não deixou de se divertir.

“Esse espaço faz a diferença, pois ela pode brincar e interagir com outras crianças. Tem toda a questão do tratamento, mas esse momento de lazer faz bem. Ela chega aqui e se sente à vontade, e isso me deixa feliz também”, afirmou.

A educadora social do instituto destaca que as atividades proporcionam uma interação entre as famílias e os profissionais e fortalece a relação das mães com os filhos.

“Algumas mães às vezes ficam em condições de tensão tão críticas que elas adoecem. Então eu faço com que elas brinquem com seus filhos e conheçam brincadeiras que possam praticar quando voltarem para casa”, completa Jane.

Atendimento pediátrico

As clínicas pediátricas do HGWA recebem crianças para internação via regulação, ou seja, que são encaminhadas a partir de atendimento em outra unidade de saúde. A maior parte das internações ocorre por doenças respiratórias. Os pacientes ficam, em média, uma semana no Hospital.

 

 

 

 

(*)com informação do Governo do Estado do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp