Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Único representante da Assembleia Legislativa na comissão especial criada para negociar o fim dos motins na Polícia, o deputado estadual Evandro Leitão (PDT) relatou, neste sábado, o vai e vem de representantes e mudanças nas propostas apresentantes pelos militares que geram instabilidade para o entendimento no sentido da suspensão do movimento grevista.

Evandro afirmou que os policiais chegaram a concordar, entre quinta e sexta-feira, com a redução de pontos apresentados como exigência para o fim da greve e a comissão especial cedeu para aceitar as ponderações, mas contestou determinadas imposições de representantes da corporação. Fez questão de enfatizar que, em momento algum, foi admitida a possibilidade de anistia para os policiais em greve.

Uma das imposições era a inclusão do ex-deputado federal e pré-candidato a vereador Cabo Sabino e da presidente da Associação das Mulheres de Policiais Militares, Nina Carvalho, como representantes dos policiais na comissão responsável pela negociação para o fim da greve.

Evandro disse que, ao longo das conversas e reuniões, a comissão especial cedeu para aceitar ponderações, mas que a população não poderia continuar refém de um movimento de poucos. No pronunciamento na Assembleia Legislativa, Evandro Leitão destacou, ainda, outros pontos dos bastidores que revelam as dificuldades para o entendimento para acabar os motins em quartéis da PM.

Confira pontos do pronunciamento do deputado Evandro Leitão:

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp