Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O deputado federal e presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, questionando nessa terça-feira, 4, sobre qual é a sua proposta para a manutenção do patrimônio histórico do País, disse não ter como “fazer milagre”. Sobre o incêndio que atingiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro, Bolsonaro disse: “Já tá feito, já pegou fogo, quer que eu faça o quê? O meu nome é Messias mas eu não tenho como fazer milagre”.

A declaração foi dada por Bolsonaro durante entrevista coletiva na Câmara dos Deputados. O nome completo dele é Jair Messias Bolsonaro. Na sua resposta ao questionamento, o presidenciável preferiu atacar o PSOL e PCdoB, partidos de esquerda que, segundo ele, integram a administração do museu, que pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O reitor da instituição, Roberto Leher, é filiado ao PSOL.

A solução para evitar a repetição de tragédias como a do último domingo, 2, seria não aceitar indicações políticas para “todas as funções do Brasil”. Instado a responder sobre a falta de recursos para a manutenção, ele disse que “se não tem dinheiro, paciência”. E acrescentou que, se for eleito presidente, vai pegar o orçamento pronto. “Ninguém pretende contingenciar [controlar despesas] nada, tá ok?”, avisou.

Bolsonaro reclamou ainda que os jornalistas queriam jogá-lo contra a cultura e destacou a importância do setor, criticando destinatários da Lei Rouanet, de incentivo à cultura. “A cultura é importante. Eu quero saber de cultura, a cultura raiz. Recursos, sim, via Lei Rouanet, para artista que está iniciando a carreira, música caipira, sertaneja, é por aí… Não é para esses globalistas ficarem mamando na nossa teta não”, declarou, encerrando a entrevista.

Veja a transcrição da entrevista de Bolsonaro na Câmara dos Deputados:

Repórter: O senhor tem alguma proposta para a manutenção do patrimônio histórico?

Bolsonaro: Não, eu não vou responder você. Você estava no Rio ontem?

Repórter: Não.

Bolsonaro: Então me desculpa aqui, tá? Então me desculpa aqui. Olha, a administração toda é de gente filiada ao PSOL e do PCdoB. A indicação política leva a isso. Os partidos se aproveitam, vendem o seu voto aqui dentro, como regra, para que a administração seja deficitária e lucrativa para eles individualmente.

Repórter: Deputado, mas é porque o caso do museu no Rio causou uma grande mobilização nacional…

Bolsonaro: Tá, e daí? Já tá feito, já pegou fogo, quer que eu faça o quê? O meu nome é Messias mas eu não tenho como fazer milagre.

Repórter: Se o senhor for eleito, qual é a proposta para que isso não se replique em outros patrimônios, como um museu tão importante como esse [Museu Nacional]?

Bolsonaro: Não aceitar indicações políticas para essas… para todas as funções do Brasil.

Repórter: Mas o problema ali é falta de dinheiro, é falta de manutenção.

Bolsonaro: Mas se não tem dinheiro, ué, paciência. Agora dinheiro para Queer Museum, aquele negócio de homem nu para criança tocar não falta. Para escrever a vida de José Dirceu também não falta da Lei Rouanet.

Repórteres: A gente está perguntando sobre propostas para o senhor. Recursos para museus…

Bolsonaro: Mas havendo recursos no projeto do orçamento, se eu for presidente eu vou pegar o orçamento pronto, ninguém pretende contingenciar nada, tá ok?

Repórter: O senhor diz que a gente não pergunta sobre proposta…

Bolsonaro: Vocês querem me jogar contra a cultura…

Repórter: Não, deputado, a gente só quer saber a proposta do senhor, deputado.

Bolsonaro: A cultura é importante. Eu quero saber de cultura, a cultura raiz. Recursos, sim, via Lei Rouanet, para artista que está iniciando a carreira, música caipira, sertaneja, é por aí… Não é para esses globalistas ficarem mamando na nossa teta, não.

Com informações do Portal Uol Notícias