Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

As inscrições para entidades de interesse público viabilizarem projetos sociais específicos podem ser feitas até as 17h do dia 25 de julho, na Secretaria do Juizado Especial Cível e Criminal (JECC) de Caucaia. Os detalhes foram apresentados nesta sexta-feira (7/07), durante audiência no Fórum daquela Comarca, localizada na Região Metropolitana de Fortaleza.

Os recursos serão provenientes da transação penal, acordo que permite substituir a reclusão por pagamento de valores (pecúnia) ou prestação de serviços, em delitos de menor potencial ofensivo.

O juiz Luiz Augusto de Vasconcelos, titular do JECC, explica que o programa, denominado “Juizado Social”, existe desde 2013. Até março deste ano, já destinou cerca de R$ 1,2 milhão a ações transformadoras nas comunidades, beneficiando pessoas mais humildes e vulneráveis. “Já estamos no quinto edital, com a finalidade de selecionar projetos que atuam com crianças, adolescentes, idosos, deficientes, dependentes químicos. O impacto social desse trabalho é muito forte. Esses recursos são aplicados em causas sociais no município.”

Ainda de acordo com o magistrado, a atividade está prevista na lei dos Juizados e em resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõem sobre a destinação do dinheiro. Além disso, “permite resultado mais expressivo, que é a pacificação social, uma das finalidades do Judiciário”.

O promotor de Justiça Hugo Mendonça, idealizador do “Juizado Social” juntamente com a magistrada Teresa Germana Lopes de Azevedo, então titular do JECC de Caucaia, explicou que o diferencial é que, em vez de credenciar entidades, a iniciativa seleciona projetos específicos que têm alcance amplo. “A partir do momento em que o dinheiro fica à disposição do Juizado, o recurso se torna público e precisam ter finalidade social e efetiva. Isso dá maior capacidade de impacto transformador. Existe fiscalização, prestação de contas e comprovação dos resultados obtidos.”

Participaram da audiência representantes de 14 instituições que desenvolvem trabalho em diversas comunidades de Caucaia. Uma delas é a entidade Pequeno Catolengo Dom Orione, do bairro Arianópolis. Há dez anos atende pessoas com deficiências múltiplas e acolhe pessoas entre 18 e 59 anos. Também promove reabilitação (fisioterapia, terapia ocupacional e equoterapia), educação especial e encaminhamentos.

A assistente social Eliane Maia afirma que a unidade já recebe verbas do “Juizado Social” há três anos e reforça a importância dessa ajuda. “O que me fascina nesse projeto é que ele prioriza menor número de ações, mas que têm resultado mais amplo.”

Para participar da seleção, as instituições precisam estar regularizadas, ter finalidade social e unidade em Caucaia. Os projetos devem fazer parte das áreas da segurança pública, educação ou saúde. Terão prioridade aqueles que beneficiem crianças e adolescentes em situação de risco. Os repasses ocorrerão entre agosto de 2017 e julho de 2018.

Também participaram a equipe da Central de Penas Alternativas de Caucaia, formada pelas assistentes sociais Thaylane Rolim e Laidyane Sousa, além do psicólogo Antônio Sérgio. O grupo fiscaliza, monitora e orienta os cumpridores de medidas alternativas à prisão. A Central é resultado da parceria entre Tribunal de Justiça do Ceará e município.

Com informação do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará