Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, teve pedido de liberdade concedido pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Nefi Cordeiro, na tarde desta segunda-feira (12). A defesa de Joesley havia pedido extensão de habeas corpus concedidos por Cordeiro, também hoje, a Neri Geller (PP), ex-ministro da Agricultura entre 2014 e 2015 e eleito deputado federal neste ano, e Rodrigo Figueiredo, secretário da pasta no período.

“Se tendo entendido na decisão paradigma que não seriam contemporâneos os riscos arguidos e não sendo admissível prender por falta de colaboração do acusado, também em face dos requerentes incide igual ilegalidade da prisão”, afirmou o ministro em seu despacho.

Assim como o empresário, eles foram presos durante a Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal (PF) de Minas Gerais, na última sexta-feira (9). A ação da PF mirou um esquema de corrupção entre a JBS e o Ministério da Agricultura. Ricardo Saud, Florisvaldo Caetano e Demilton de Castro também foram beneficiados pelo ministro. Alvos de mandados de prisão, na semana passada, eles já haviam firmado colaboração premiada com a Justiça.

Além dos seis citados acima, ainda foram presos o vice-governador de Minas, Antônio Andrade (MDB), ministro da Agricultura entre 2013 e 2014, o deputado estadual João Magalhães (MDB), e o ex-secretário de Defesa Agropecuária Rodrigo Figueiredo, este último solto ontem (11) por decisão de Cordeiro. Segundo a investigação, a propina paga ao ministério para beneficiar a JBS era intermediada e distribuída por Eduardo Cunha (MDB), Andrade e Magalhães entre políticos do MDB.

Com informções Noticias ao Minuto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp