Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Seis meses depois da assinatura de um Memorando de Entendimento entre o Governo do Ceará e a empresa coreana Korea Gas Corporation (Kogas) para a instalação de uma unidade fixa de regaseificação no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), representantes da multinacional encontram-se no Estado para a realização do estudo de viabilidade do projeto.

Atualmente, está em operação uma usina flutuante de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL) da Petrobrás, que funciona a bordo do navio Golar Spirit, alugado pelo valor de US$ 50 mil por dia. O governador Camilo Santana decidiu trabalhar na implantação do terminal de regaseificação de GNL onshore no Porto de Pecém, por considerar a infraestrutura de gás estratégica para o crescimento do Estado. O objetivo é reforçar o crescimento econômico do Ceará, atendendo as áreas industriais e comerciais e possibilitando o acesso da população à energia confiável e limpa.
Conforme o projeto em estudo, a Kogas deverá participar junto com a Cegás e com o Grupo Posco E&C e Daewoo do projeto da unidade de regaseificação no CIPP. A iniciativa, avaliada em U$ 600 milhões, terá capacidade total de 12 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia, e possivelmente será desenvolvida em duas fases de 6 milhões de metros cúbicos cada.
A construção da usina de regaseificação em terra firme vai liberar o píer número 2 do Porto do Pecém, onde está ancorado o navio contratado pela Petrobras, a bordo do qual funciona a usina flutuante de regaseificação. Quando esse navio deixar o espaço que ocupa no porto, a Cearaportos terá mais dois berços de atracação para os navios transportadores de combustíveis, algo que será permanente a partir do momento em que se reinstalar no Pecém o parque de tancagem que opera, atualmente, no bairro do Mucuripe, em Fortaleza.

“Temos chances agora de acelerar o projeto, pois o Tribunal de Contas da União(TCU) liberou a Petrobras para dar sequência ao seu programa de venda de ativos, e um dos ativos a ser vendido é a usina de regaseificação do Pecém. É exatamente por causa disso que os coreanos estão vindo a Fortaleza”, ressalta o assessor Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Ceará, Antonio Balhmann. Os coreanos estão interessados na compra dessa unidade da Petrobrás.