Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

As mudanças nas regras para aposentadoria e pensão, que mexe com servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada, ainda não chegou à Câmara Municipal de Caucaia. Enquanto em outras cidades menores, o debate entra na pauta dos Legislativos Municipais, em Caucaia, o assunto não está presente na agenda dos parlamentares.

A reforma previdenciária mexe com os trabalhadores que estão a caminho da aposentadoria ou estão tendo, pela primeira vez, a carteira assinada. As regras são duras. Uma das normas em discussão é a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. Quem quiser se aposentar com o salário integral, terá que contribuir por 49 anos.

O projeto de reforma da previdência gera divisão entre aliados e opositores do Governo Federal no Congresso Nacional. O presidente Michel Temer tem sido duro no discurso ao dizer que, sem a reforma, haverá dificuldades no futuro para o poder público pagar a conta. Temer foi mais duro, nessa quarta-feira, ao afirmar que, caso o Congresso Nacional não aprove as mudanças nas normas de aposentadorias e pensões, o Brasil ficará paralisado em 7 anos.

“Precisamos aproveitar este momento de apoio do Congresso Nacional para fazer essa reforma. A reforma não prejudicará ninguém. A questão dos trabalhadores rurais, a questão dos deficientes, eu compreendo, e nós podemos ainda negociar, de modo a aprovar a reforma”, disse Temer, em seu discurso da abertura da 10ª conferência do Bank of America
Merrill Lynch, realizada, nessa quarta-feira, em São Paulo