Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A procura pelo seguro-desemprego continua em alta no Brasil. Segundo o Ministério da Economia, 351,3 mil pessoas deram entrada no benefício apenas nos primeiros quinze dias deste mês de junho. Com isso, subiu para 2,3 milhões o total de trabalhadores que precisaram recorrer ao benefício desde o início da pandemia de covid-19.

Em meio à pandemia de coronavírus, o Ceará registrou, em maio, 32.934 pedidos de seguro-desemprego.

O balanço dos pedidos de seguro-desemprego registrados na primeira quinzena de junho foi apresentado nesta quinta-feira (25), pelo Ministério da Economia. Foram, ao todo, 351.315 solicitações – número que é 35% maior que o registrado no mesmo período do ano passado: 260.228. Com isso, a procura pelo benefício já registra um aumento de 14,2% neste ano.

No acumulado de 2020, foram contabilizados 3.648.762 pedidos. O número é 14,2% maior ao registrado no mesmo período de 2019 (3.194.122), informou o Ministério da Economia.

A maior parte dessas solicitações foram registradas durante a pandemia do novo coronavírus. Os dados do governo mostram que, na segunda quinzena de março, quando as primeiras medidas de distanciamento social foram implementadas no Brasil, 235 mil trabalhadores recorreram ao seguro-desemprego. E esse número disparou com o agravamento da quarentena: foram 748 mil pedidos em abril, 960 mil em maio e agora mais 351,3 mil no início de junho.

Cerca de 64% de todos os 3,6 milhões de pedidos de seguro-desemprego deste ano foram registrados só durante a pandemia do novo coronavírus. 

Solicitação

A pessoa demitida tem quatro meses de prazo para requerer o auxílio no Sine, no portal “gov.br” ou no aplicativo de celular “Carteira de Trabalho Digital”. O Ministério da Economia afirma que, uma vez feita a solicitação pelo trabalhador, não há fila de espera para concessão do benefício.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp