Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
VEJA
A facada da intolerância
Jair Bolsonaro é alvo de um atentado em Juiz de Fora. Um resultado dramático da radicalização da política brasileira
Diante de uma multidão reunida na região central de Juiz de Fora, depois das 15 horas de quinta-feira, Jair Bolsonaro repetia uma cena corriqueira em sua rotina de campanha: carregado nos ombros por quatro homens, fazia sinal de positivo para sua militância, que gritava palavras de ordem em apoio ao presidenciável, hoje líder isolado nas pesquisas de intenção de voto. Bolsonaro aparentava satisfação em estar no meio de seus potenciais eleitores, quando seu rosto adquiriu feições de dor. A transformação em seu semblante foi causada pelo servente de pedreiro Adelio Bispo de Oliveira, 40 anos, que alcançou o deputado em meio ao povo e, atacando pelo lado direito, desferiu-lhe uma facada na altura do abdômen.
Antes de atingir seu alvo, Oliveira teve o braço levemente desviado por um apoiador que percebeu de imediato suas intenções. O desvio, contudo, não foi suciente para impedir que a faca alcançasse a barriga do capitão da reserva. Bolsonaro vergou de dor, pôs a mão no local do ferimento e foi imediatamente carregado para uma viatura que acompanhava o grupo e  conduzido para a Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora. Policiais federais que faziam sua escolta prenderam Oliveira em flagrante.
ÉPOCA
O candidato obediente
A campanha de Hadadd no coraçao do Lulismo
Na noite em que o Tribunal Superior Eleitoral barrava a candidatura do ex-presidente Lula como cabeça na chapa do Partido dos Trabalhadores — fato ignorado pelas hostes petistas, que continuaram a insistir no devaneio de uma dobradinha eleitoral entre um preso e um solto —, um jantar reunia sete homens e uma mulher no restaurante Varanda, no centro de Garanhuns, Agreste de Pernambuco. No dia seguinte, Fernando Haddad, de 55 anos, que oficialmente ainda era apenas vice por obediência às ordens partidárias superiores, faria um périplo nas cercanias da cidade natal de Lula, Caetés — a menos de meia hora dali. Como o lulismo ainda reina forte na região, a visita servia basicamente para a gravação de um programa eleitoral, além de dar uma força para o governador Paulo Câmara, do PSB, que corta um dobrado para garantir a reeleição.
ISTO É
Assim não!
A facada em Bolsonaro
Um atentado cometido contra o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, na tarde de quinta-feira 6, em Juiz de Fora (MG), – um ato sem precedentes desde a redemocratização –, pode cristalizar um cenário que vinha se consolidando nas recentes pesquisas eleitorais: sua quase inevitável ascensão ao 2º turno da corrida presidencial. Eram 16h quando o ex-capitão do Exército sentiu o peso do extremismo de uma campanha que partia, como em 2014, para uma densa e perigosa atmosfera alicerçada pelo clima do “nós contra eles”: levou uma facada no abdômen enquanto fazia uma caminhada no centro da cidade mineira. Bolsonaro estava sendo carregado por simpatizantes quando uma pessoa desferiu uma facada na altura da barriga do candidato. O ataque atingiu o candidato, apesar de ele usar um colete a prova de balas. O corte entrou na região abaixo do colete, num local desprotegido. Na própria quinta-feira, o comandante do Exército, general Villas Boas, convocou uma reunião emergencial do Alto Comando, que reúne 16 generais quatro estrelas, para tratar do tema.