Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A espera continua para quem quer se aposentar e mesmo após quase dois meses do início da reforma da Previdência, o sistema do INSS ainda não está totalmente adaptado para analisar os pedidos dos segurados pelas novas regras e filas virtuais se formam por espera da concessão do benefício. A situação foi discutida pelos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida no Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral desta quinta-feira (9).

Muitos pedidos foram encaminhados ao órgão ainda no final de 2018, como destaca Luzenor, porém muitos processos ainda não foram avaliados, o que deixa os requerentes aguardando uma resposta por parte do INSS.

“O Governo Federal sentiu as pressões, as cobranças e sinalizou que poderá adaptar uma nova força tarefa para diminuir as filas que acumulam pelo menos 1 milhão e 500 mil pedidos de segurados por todo o Brasil. Aqui no Ceará são mais de 40 mil a espera de uma resposta do INSS”, aponta o jornalista.

Beto destaca que os problemas em relação aos atrasos nas análises dos processos foi iniciado quando começou o processo de digitalização dos serviços do INSS. O jornalista relembra que no período, quando o processo se iniciou, a expectativa era que os pedidos de benefícios e aposentadorias ganhassem uma maior agilidade.

“A digitalização deu agilidade para o beneficiário dar entrada com o pedido. Só que não houve a contra partida no mesmo ritmo de análise, ou seja, não havia servidores o suficiente para fazer a análise adequada, correta, dos pedidos que eram digitalizados, que eram feitos de   forma digital”, afirma Beto, que ainda salienta que desde 2018, a fila de espera só tem aumentado e que a situação se tornou pior após a aprovação da reforma da Previdência.

Beto ainda chama atenção dos ouvintes para o fato de que o INSS não atende mais nenhum pedido de benefício desde o dia 13 de novembro, por conta da paralisação devido a não conclusão, por parte da DATAPREV, da análise das mudanças em torno da nova previdência.

Outra questão que o jornalista aponta como preocupante é a falta de servidores. “Hoje há uma carência de servidores, por isso que o Governo estuda, inclusive nessa etapa agora, terceirizar. Por que terceirizar? Por que simplesmente não realizou concurso, havia uma expectativa enorme para a realização desde concurso. Muitos servidores do INSS se aposentaram, outros estão afastados da função. Enfim a um sério problema […] A grande questão é, o governo precisa ter pessoal para tomar conta disso e principalmente retomar o atendimento, que está parado mesmo”, pondera o jornalista.

Diante da angústia devido a demora para o recebimento de uma resposta por parte do INSS, Luzenor ainda dá uma boa notícia aos que ainda estão aguardando a aprovação do pedido de aposentadoria.

“Quando o INSS reconhece que o segurado, a segurada tem direito a aposentadoria, o tempo que conta para efeito de pagamento desse benefício é a data em que o pedido foi protocolado”, explica do jornalista.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp