Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Dados divulgados pelo Datafolha mostram que os brasileiros têm se dividido em três conjuntos na hora de votar para presidente. Quase um terço aposta em um líder à direita, de discurso beligerante, conservador e antipetista (os 28% de Bolsonaro). Praticamente o mesmo percentual subdivide-se em duas candidaturas pendentes à esquerda, mais liberais em comportamento, nem tanto na economia e com forte apelo de inclusão social (31% de Haddad, Ciro e nanicos). O restante (36%) evita a polarização, seja optando por candidatos do centro como votando em branco ou anulando o voto.

Este último estrato só é mais numeroso porque contabiliza o eleitor “antipolítico” que prefere não escolher um nome — hoje, são 12% do eleitorado, recorde histórico para período correspondente. Talvez seja esse um dos principais pontos a distanciar essa disputa da eleição de 1989. Em primeira leitura, a distribuição das intenções de voto, de fato, lembra mesmo o pleito de quase 30 anos atrás.

Em todas as posteriores, o líder no Datafolha tinha, em período equivalente, pelo menos 40% das preferências. Em 89, a três semanas da eleição, Fernando Collor, o “caçador de marajás”, conseguia 26%, PT e PDT somavam os mesmos 29% de hoje e o candidato mais ao centro e com maior tempo na TV, Ulysses Guimarães (PMDB), o “Sr. Diretas”, estacionava bem abaixo de seu potencial. Mas as semelhanças param por aí.

Na “festa da democracia”, primeira eleição direta para presidente, após 30 anos de ditadura militar, apenas 2% dos brasileiros queriam votar em branco ou anular o voto. Se comparada com outras eleições, o pleito atual tem índices de interesse e cristalização muito mais baixos, sugerindo variações ao longo das duas próximas semanas. Por isso, com o peso quantitativo do universo “antipolítico”, bolsonaristas sonham com vitória já no primeiro turno – algo parecido com o que ocorreu com Fernando Henrique Cardoso, em 1998.

Na ocasião, o tucano foi reeleito com 43% do total de votos contra 26% de Lula (PT) e 9% de Ciro Gomes (PPS) justamente porque a taxa de brancos e nulos chegou a 19%. Para que isso aconteça, o candidato do PSL precisa fazer em duas semanas o que FHC fez em quatro meses — concretizar ao máximo seu potencial total, que é de 42% das intenções de voto, isto é, convencer todos os eleitores que em algum momento cogitaram escolhê-lo para presidente, em de fato fazê-lo.  E, além disso, contar com o aumento da taxa de brancos e nulos para patamares superiores a 16% (se somado aos indecisos, o índice já chega a 17%). Não é impossível, mas é muito improvável.

Bolsonaro não aparece de forma expressiva como segunda opção de voto e ainda enfrenta alta rejeição entre as mulheres. Apesar de ter evoluído no estrato (cresceu sete pontos no último mês), o apoio no segmento feminino é mais localizado entre as que têm maior renda familiar — chega a 32% entre as que reúnem mais de 5 salários mínimos contra apenas 14% entre as mais pobres (o primeiro estrato corresponde a só 6% do eleitorado e o segundo alcança 28%).

Mas os outros candidatos, especialmente Haddad, devem ficar alertas: apesar de o petista apresentar crescimento nos segmentos característicos do lulismo, especialmente no Nordeste, o deputado já lidera entre os homens mais pobres (26%, contra 21% do ex-prefeito). Ciro tem 13% do estrato e, fora do Nordeste, prende-se a segmentos de baixa participação na composição do eleitorado.

Enquanto poupam o candidato convalescente, adversários encontram oportunidades no desempenho de mídia do general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), vice de Bolsonaro. Deslizes nas declarações de campanha, como a que fez o militar sobre famílias matrifocais, ajudam a entender porque mulheres de menor renda, onde esse fenômeno arde, configuram o segmento mais indeciso da população e também o que mais quer votar em branco ou anular o voto na eleição deste ano.

Com informações do Jornal Folha de São Paulo