O ex-presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), sofreu, nesta quarta-feira, 6, a primeira derrota após a sua saída da vida parlamentar. O ministro Edson Fachin , do Supremo Tribunal Federal ( STF ),  negou o pedido de Eunício para o trancamento da a investigação integrantes da bancada do MDB no Senado.


De acordo com a decisão de Fachin, o ministro também negou o segundo pedido do ex-parlamentar para que, caso não fosse arquivado, a investigação fosse remetida à Justiça Eleitoral. 


 Fachin entendeu ainda que, no caso específico deste inquérito, mesmo com a perda do foro privilegiado depois de não ter sido reeleito, Eunício deve permanecer sob investigação perante o STF para manter a “unicidade” das apurações. O relator do caso terá 60 dias para a Polícia Federal finalizar o inquérito.

Nessa dinâmica, não vejo irrazoabilidade a justificar o encerramento açodado das apurações, sobretudo porque, no caso, os colaboradores José Sérgio de Oliveira Machado, ex-dirigente da Petrobras Transportes S/A – Transpetro, e Ricardo Saud, ex-executivo do Grupo Empresarial JBS reportaram fatos aparentemente tipificados como infração penal em que se imbricaram, bem como apontaram os seus sequazes, além de outros elementos aptos a descortiná-los integralmente, afigurando-se, portanto, legítimo o exaurimento das diligências já supervisionadas e deferidas por este relator, além de outras frentes apuratórias que dessas se desdobrem e sejam relevantes ao esclarecimento dos fatos, assinalou o ministro em sua decisão de segunda-feira.