Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Dados do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) mostram que, desde o início da pandemia, o número de tornozeleiras eletrônicas para monitoramento de apenados e suspeitos de cometerem crimes, no Ceará, saltou de 27,6%. Entretanto, entre os usuários, estão chefes de facção criminosa, que já romperam o equipamento.

Em março deste ano, o estado tinha 5.937 pessoas monitoradas pelo uso do equipamento. No início de novembro, já eram 7.580 pessoas, segundo o TJCE. A Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP) informa que, apesar do aumento da concessão de tornozeleiras eletrônicas neste ano, a taxa de violação do equipamento no Ceará é de 19%, bem menor que a média nacional, que é de 35%.

Conforme a SAP, o aumento da aplicação da tecnologia, nos últimos anos, tem como uma das causas o trabalho realizado pelo núcleo jurídico da Pasta junto da Defensoria Pública do Ceará, que, desde janeiro de 2019, realizaram mais de 32 mil análises processuais dos internos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp