Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Dezenas de motoristas do aplicativo de transporte individual “99” tiveram os cadastros e foram à sede da empresa nesta segunda-feira (27). Segundo o motorista Manoel Edmilson, cerca de 100 pessoas tiveram as contas bloqueadas e não podem mais traballhar pela empresa em Fortaleza.
O bloqueio ocorreu após um falso motorista de aplicativo ser preso suspeito estuprar passageiras durante as corridas na capital. Segundo a polícia, o homem de 26 anos criou perfis falsos para ser chamado para as corridas e, com isso, cometia os crimes.
A 99 informou por meio de nota que a partir desta segunda-feira (27) os motoristas parceiros serão convidados a comparecer no posto de atendimento presencial da empresa para passar por vistoria completa. A empresa já identificou e bloqueou preventivamente contas de motoristas que atualmente apresentam alguma inconsistência no cadastro.
Após a vistoria presencial dos documentos e do veículo, todos os motoristas que apresentarem documentação em dia e veículo em condições adequadas terão o acesso liberado imediatamente. O mutirão de checagem de cadastros deverá ter início nesta terça-feira (28) e ocorrerá pelos próximos 15 dias, inicialmente. A 99 está trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana para colaborar com a segurança dos seus usuários.
Sobre o cancelamento, Manoel Edmilson comentou que estava trabalhando normalmente, mas, no início desta manhã, o aplicativo parou de emitir novas chamadas. Após ter a conta bloqueada, ele foi à sede da empresa, mas foi informado que não poderia mais atuar pelo aplicativo.
Ele disse que diversos outros motoristas também reclamaram que tiveram as contas bloqueadas sem informar o motivo. “Eles bloquearam as contas sem dizer nada, sem informar o real motivo. Só mandaram ler o termo de conduta e fisseram que era definitivo”, disse.
O motorista disse ainda que o cancelamento causou um prejuízo financeiro a ele e a outros parceiros da empresa de aplicativos.”Muita gente só tem isso como renda. Tem motorista que tem carro alugado e paga só com isso, então como vai ficar agora? Isso revolta”, afirmou.
“Não é justo que a gente pague pelo que aconteceu com essa bandido. A gente que trabalha direito e precisa do dinheiro que se prejudica”, acrescentou.

Medidas de segurança

Após a prisão do falso motorista, a empresa informou em nota em 20 de agosto de 2018 que suspendeu o cadastro de alguns motoristas por duas semanas e implementou outras medidas para aumentar a segurança, como:
  • Revisão completa do processo de cadastramento dos condutores;
  • Reanálise de 100% da documentação dos motoristas ativos;
  • Checagem presencial em caso de inconsistências;
  • Implantação dova ferramenta de reconhecimento facial dos motoristas por meio de self.
A empresa ainda lamentou os casos de violência. A 99 comunicou ainda que mantém o contato com as vítimas para prestar o apoio necessário.
Com informações G1