Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A emancipação do distrito da Jurema, em Caucaia, deverá voltar à pauta na Câmara Municipal. Na sessão de amanhã, terça-feira, em espaço cedido pelo legislativo aos movimentos populares, a Associação do Movimento Emancipalista da Jurema (Amej) vai buscar o apoio dos vereadores ao projeto. O sonho de tornar-se independente é antigo e tem sido acalentado por muitos. Tanto que existe até uma entidade juridicamente constituída que hoje está à frente das atividades.

Um dos diretores é o municipalista Carlos Kté Santos que vai falar em nome da associação na sessão de amanhã na Câmara. Ele deverá abordar a lei de criou regras mais rígidas para a criação de municípios no Brasil e que também retirou das Assembleias Legislativas o direito de legislar sobre o assunto. A Amej, segundo Carlos Kté é pioneira no Estado do Ceará no soerguimento da bandeira de emancipação de distritos e referência para fortalecer o movimento em outros Estados da federação como a Bahia, Pará, Acre, Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Amazonas, Maranhão, Piauí, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santos e Minas Gerais.

Carlos observa que o movimento em favor da Jurema está bem adiantado, inclusive com um estudo detalhado sobre a “viabilidade municipal” que justifica a emancipação uma vez que o distrito supera todas as exigências legais necessárias, “não sendo encontrado nenhum motivo que possa prejudicar o município mãe”, destacou. Segundo relatório da Amej, “tanto o novo município como o já existente, só terão a ganhar e prosperar”.

O distrito da Jurema está localizado na divisa com Fortaleza e tem sua área totalmente urbana, com uma grande concentração de conjuntos habitacionais. Em um passado recente era tida como cidade dormitório, mas hoje, sua população já não é tão dependente da Capital, possuindo oportunidades de trabalho e serviços públicos. Segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), senso de 2016, a população da Jurema é de 140 mil habitantes, correspondente a 40% da população de Caucaia.

Com a emancipação, de acordo com o estudo de viabilidade, o novo município já nascerá grande, ficando entre os dez maiores do Estado em população e economia. Ainda segundo o estudo, o município mãe, no caso Caucaia, não perderia nada com o desmembramento.  O distrito possui toda a infraestrutura para se estabelecer como municípios: Escolas, instituições financeiras, comércios, igrejas de vários segmentos religiosos, hospital/maternidade, delegacia de polícia, além de uma unidade da Fundação Bradesco e do Lar Fabiano de Cristo.

A Avenida Dom Almeida Lustosa tem uma extensão de mais de quatro quilômetros e é um grande corredor de comércios. Existe ainda, a “feira da Jurema”, criada em 1970 e atende as necessidades de compras dos moradores com os mais variados produtos, que vai de vestuário a alimentos. O local não consta com uma infraestrutura apropriada e a luta da comunidade é para que seja construído um mercado público.

Da Redação – Maria Guilherme