Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Há oito dias das eleições no primeiro turno, mulheres de todo país se reúnem para se manifestar contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), líder das pesquisas de intenção de votos. e com maior rejeição do público feminino entre os candidatos ao Planalto.
No Brasil, há exatos 50 anos, um grupo de mulheres marcou a história do país ao marchar contra a ditadura instalada quatro anos antes. Personalidades famosas na época, como Eva Todor, fizeram um cordão no Centro do Rio de Janeiro contra a censura provocada pela ditadura militar, quatro anos antes. No cenário atual, há a Marcha das Mulheres Negras, contra o racismo; a Marcha das Vadias, contra violência de gênero; e a Marcha das Margaridas, de trabalhadoras rurais.
Neste ano, as mulheres viraram pivô da discussão política no Brasil. Em uma briga eleitoral, os candidatos à Presidência da República têm disputado a atenção desse público. E não é para menos: são 77,3 milhões aptas a votar — o que corresponde a 52,4% do eleitorado, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com isso, a opinião dessa parcela pode ser fundamental e decisiva para garantir que candidatos tenham a oportunidade de chegar no segundo turno, ou sejam rejeitados e não alcancem bons resultados na disputa.
No entanto, o voto feminino ainda é disperso. E mais do que isso, indeciso. Na pesquisa do Datafolha, divulgada em 19 de setembro, questionadas em quem votariam para o primeiro turno para presidente, apenas 53% das mulheres tinham certeza em quem iriam votar, enquanto 47% responderam que ainda não sabiam. No caso dos homens, 31% responderam que não sabiam.
Toda essa mobilização leva a outro fato: a diferença entre votos femininos e masculinos em um candidato. Pelos dados do Datafolha de 19 de setembro, a intenção de votos do líder dos levantamentos, Jair Bolsonaro (PSL), chegou a 28% no cenário estimulado. No universo feminino, ele atinge 21% dos votos. Entre os homens, o percentual é de 36%.
A rejeição também é maior no público feminino. Ao todo, 49% das entrevistadas disseram que “não votariam de jeito nenhum” no candidato do PSL, contra 37% dos homens.
Há também outro cenário a ser analisado: as mulheres representam apenas 31,6% das candidaturas do país, com 9,2 mil para todos os cargos, segundo o TSE. Os homens são 68,4% dos candidatos. E mesmo com a lei que obriga partidos a terem pelo menos 30% de candidatas mulheres, esse número não melhorou em comparação com as últimas eleições gerais. Em 2014, quando a cota feminina ainda não era obrigatória, a representação chegou a 31,1%, com 8,1 mil candidatas. Na presidência, por exemplo, de 13 postulantes, apenas duas são mulheres e cinco são vices.
Álvaro Dias (Podemos) não tem a palavra “mulher” citada no plano de governo. Cabo Daciolo (Patriota), apesar de ter uma vice mulher, a professora Suelene Balduino (Patriota), também não tem nenhuma proposta para esse público. Eymael (DC) defendeu a aplicação de programas de metas sociais “orientado para a satisfação das demandas sociais”, mas não especificou se essas propostas também incluem mulheres. No programa de governo, essa palavra não foi citada. João Amoêdo (Novo) também não traz nenhuma proposta específica para o público.
No meio termo, estão Henrique Meirelles (MDB), Bolsonaro e Geraldo Alckmin (PSDB), que têm poucas ações voltadas ao público feminino. No caso do emedebista, há apenas uma proposta, que é incentivar a redução da diferença salarial entre os gêneros. O tucano e o capitão reformado também só trazem uma medida voltada para o público. O primeiro para combater a violência, e o segundo para combater o estupro.
Com mais destaque a posição feminina, João Goulart Filho (PPL) apresenta pautas relacionadas ao espaço feminino dentro da sociedade: combate à discriminação salarial; aumento da licença maternidade; e facilitação dos meios de contracepção. Marina Silva (Rede) traz um tópico só para tratar do assunto, no qual propõe o fortalecimento do empreendedorismo feminino, igualdade e meios de combate à violência. Em poucas páginas de programa de governo, Vera Lúcia (PCO) também dedica uma parte apenas para o público feminino. Um dos 16 pontos do “programa socialista” é dedicado ao fim da opressão.
Já Guilherme Boulos (PSol), Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT), todos com vice mulheres, dedicam maior espaço, com propostas para o combate à desigualdade salarial; prevenção de violência doméstica; e defesa na paridade de mulheres na política.
Com informações do Correio Braziliense