Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O projeto O Parlamento e Sua História recebeu 6.520 estudantes de 161 instituições de ensino em 2017. Os dados foram divulgados pela equipe do Memorial da Assembleia Legislativa do Ceará Deputado Pontes Neto (Malce), que coordena a iniciativa.
Para o presidente do Memorial, ex-deputado Osmar Diógenes, trata-se do resultado de muito esforço “e que tem causado admiração”. Ele frisou que, em 2018, a intenção é retomar, juntamente com o apoio da Comissão de Juventude da AL, o Parlamento Jovem, projeto desenvolvido em gestões anteriores e que coloca os jovens no papel de deputados estaduais.

De acordo com o presidente do Malce, o objetivo é mudar o conceito que se tem de Poder Legislativo junto ao público. “O povo tem uma ideia muito negativa do que acontece aqui dentro, e o papel do Parlamento é tão importante que cabe a nós encontrar meios para fazer com que a sociedade perceba a realidade”, explica.

No Parlamento Jovem, conforme esclarece, cada escola participante do Parlamento e sua História deve eleger um aluno para elaborar um trabalho sobre o Poder Legislativo e o papel do parlamentar. Destes, 46 trabalhos serão escolhidos, e seus autores devem formar um grupo de jovens parlamentares, que, por tempo determinado, assumirão como deputados, debatendo temas e elaborando projetos, entre outras atividades.

“Ao final, vai estar bem claro na mente do jovem o que o parlamentar faz, e para nós isso é o mais importante. É preciso que entendam que, quando há um político corrupto, esse é um problema daquela pessoa especificamente, e não da instituição”, observa.

Enquanto o Parlamento Jovem não retorna, os números do Parlamento e sua História crescem. As visitações de 2017 superaram as de 2016, com até dois mil estudantes a mais e mais 50 escolas em relação ao ano anterior.

No decorrer da gestão do deputado Zezinho Albuquerque (PDT) como presidente da AL, de 2013 até hoje, 24.535 alunos de 645 instituições puderam participar do Parlamento e sua História. O projeto recebeu estudantes de escolas públicas e privadas dos níveis fundamental, médio e superior.

As instituições que participaram são de diversos bairros de Fortaleza, inclusive com grupos de outros municípios, como Aquiraz, Pacajus, Pacatuba, Pajuçara, Eusébio, Itaitinga, Maracanaú, Caucaia, Pentecoste, Antônio Diogo, Salitre, Maranguape e Beberibe.

Além de estudantes do ensino básico e superior, os números incluem visitas dos centros de ensino de jovens, adultos, idosos e até de outras categorias, como comerciantes.

A equipe operacional do projeto conta com Socorro Medeiros, Ivana Costa, Germana Pontes, Rubens Rocha, Carlos Pontes, Tereza Diógenes, Diego Morais, Edna Camarço, Lígia Castelo Branco, Luiz Maia, Ariadna Carvalho, Cléa Menezes, Eveline Freitas, Rodolfo Farias, Marcela Loiola e Julianne Santos.

Para se inscrever, as instituições devem agendar visita pelo telefone (85) 3277.3727 ou pelo e-mail memorial@al.ce.gov.br.

Com informações da Agência AL