Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma onda de violência e atentados marca o final de semana na Grande Fortaleza no momento em que a Prefeitura intensifica a propaganda da inauguração de uma torre de segurança e a ampliação de escolas em tempo integral como iniciativas para diminuir o número de ações criminosas. A estratégia política e de comunicação da Prefeitura é colar a agenda do prefeito Roberto Cláudio (PDT) com a agenda do Governador Camilo Santana (PT) na área de segurança pública.

O banditismo não dá trégua e coloca em xeque a eficácia das ações da Prefeitura e dos Governos Federal e do Estado no combate ao crime organizado. O final de semana mostrou, com uma série de ataques, a fragilidade dessas ações. De mensagens, com pichações, panfletos e cartas, aos tiros contra prédios públicos e incêndio de veículos (carros, motos e ônibus), os bandidos pintaram e bordaram.

A sequência de ataques criminosos contra prédios públicos e incêndio de veículos começou na quinta-feira e se estendeu até esse domingo, quando os bandidos incendiaram mais de 50 veículos – entre carros e motos, apreendidos pela polícia. Os veículos estavam em um terreno da Secretaria da Infraestrutura (Seinfra) da cidade de Cascavel, a 70KM da Capital.

Os ataques atingiram, também, ônibus e prédios públicos em Fortaleza e no interior do estado. A sequência de ações criminosas teve, até a tarde desse domingo, seis ônibus destruídos, disparos contra a sede da Secretaria de Justiça do Estado, no Bairro da Aldeota, e bombas caseiras jogadas contra o prédio da Regional IV da Prefeitura da Capital, no Bairro da Serrinha.

O atentado contra o prédio da Secretaria da Justiça terminou com o assassinato, em troca de tiros com a polícia, de três suspeitos. A polícia registrou, ainda, um atentado, com bomba, contra o prédio da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), na cidade de Sobral, na região Norte do estado.

A ousadia dos criminosos teve, ainda, ataques a tiros contra a sede do Juizado Especial Cível e Criminal, no Bairro Itaperi,  e danos em antenas de telefonia móvel nos Bairros Jardim Iracema e José Alencar.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) confirmou que a Polícia Militar prendeu seis suspeitos de participação nos crimes. Quatro homens foram presos no sábado e três, na manhã desse domingo. Com os suspeitos de participação nos crimes, a polícia apreendeu munição e garrafas de gasolina usadas nas ações.

A onda de violência deixou apreensão entre moradores de diferentes comunidades da Grande Fortaleza. A ação dos bandidos acontece no momento em que o Governo do Estado avança com articulações, em parceria com o Governo Federal, para o combate ao crime organizado no Ceará. Uma das medidas  que tem gerado insatisfação entre líderes das facções criminosas é a instalação de bloqueadores de aparelhos de celulares nas unidades carcerárias.

Em meio às medidas de combate a violência que não param de crescer na Capital, a Prefeitura de Fortaleza anuncia, por meio de maciça propaganda, que o Município inaugurou uma torre de segurança, ampliou a rede de escolas com tempo integral e novas creches como iniciativas para neutralizar a onda de crimes. Simultâneo às medidas da Prefeitura, a onda de violência cresce e deixa os moradores da Capital com medo de sair de casa e atônitos diante da ousadia dos bandidos e da impotência do poder público.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp