Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou para baixo a previsão de chuvas para a região Sudeste. Agora, a estimativa para o fim de janeiro é de que as precipitações correspondam a 71% da média histórica, abaixo dos 78% estimados na semana passada.

Apesar disso, o operador espera que o subsistema encerre o primeiro mês do ano com os reservatórios operando a 36,4% de sua capacidade, acima dos 32,73% registrados na quinta-feira, 12.

Já na região Nordeste, que há meses tem sido fortemente afetada pela seca, a chamada Energia Natural Afluente (ENA) para janeiro não sofreu alterações em relação à semana anterior, permanecendo em 32% da média de longo termo (MLT). No entanto, o ONS projeta que os reservatórios da região devem melhorar, encerrando janeiro com 18,7% da capacidade, acima dos níveis de quinta, de 17%.

Na região Sul, que recebeu fortes chuvas no início de 2017, o operador prevê que a ENA chegue a 190% neste mês, abaixo da estimativa de semana passada, de 201%. Desta forma, os reservatórios devem alcançar 68,8% da capacidade ao final de janeiro, abaixo dos 69,63% anotados na quinta.

Por fim, para a região Norte, o ONS diminuiu a previsão de ENA, que passou de 45% para 42% da MLT em janeiro – no entanto, o nível dos reservatórios do subsistema deve subir, passando dos atuais 19,97% para 23,7% ao final do mês.

Demanda<

O ONS também revisou sua previsão de carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) para janeiro, passando a prever 68.711 MW médios, o que corresponde a um aumento de 7% ante o mesmo mês de 2016. A projeção anterior apontava para uma carga de 67.892 MW médios, ou crescimento de 5,8% frente janeiro do ano passado.

O aumento na estimativa foi puxado pelo subsistema Sudeste/Centro-Oeste – a nova projeção é de 40.723 MW médios, uma alta de 9% na base anual (a projeção anterior apontava para 39.830 MW médios, ou avanço de 6,6%). Para a região Sul, a previsão passou a ser de alta de 2,2%, acima do crescimento de 2% estimado na semana passada. O Norte teve a projeção revista de aumento de 1,4% para uma queda de 0,4%, enquanto o Nordeste manteve-se estável, com uma expansão de 9,4%.

CMO

O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) divulgado nesta sexta-feira também aponta um aumento no custo de geração de energia em todos os submercados. Para a semana entre 14 e 20 de janeiro, o Custo Marginal de Operação (CMO) foi fixado em R$ 109 76/MWh no Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, acima dos R$ 80 42/MWh da semana passada.

No Nordeste, submercado com maior CMO, os preços ficaram praticamente estáveis, passando de R$ 159,82/MWh para R$ 159 91/MWh. O CMO é utilizado como referência para a definição do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), indicador que deve ser divulgado ainda esta tarde pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Estadão Conteudo