Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou para baixo a previsão pluviométrica para a região Sudeste. Agora, a expectativa para o fim de fevereiro é de que as precipitações correspondam a 85% da média histórica, ligeiramente abaixo dos 86% estimados na semana passada.

Apesar da leve retração, o operador espera que o subsistema continue se recuperando. De acordo com a projeção, os reservatórios do Sudeste devem encerrar o mês com 44,5% de sua capacidade, acima do nível verificado na quinta-feira, 2, de 37 65%

Já na região Nordeste, que há meses tem sido fortemente afetada pela seca, a estimativa para a chamada Energia Natural Afluente (ENA) em fevereiro foi levemente revisada para cima, passando de 26% da média de longo termo (MLT) na semana passada para 28% nesta semana. Com isso, o ONS projeta que os reservatórios da região devem melhorar, encerrando fevereiro com 20,2% da capacidade, acima dos níveis de quinta, de 17,69%.

Na região Sul, o operador prevê que a ENA chegue a 94% neste mês abaixo da estimativa da semana passada, de 117%. Desta forma, os reservatórios devem alcançar 57% da capacidade ao final de fevereiro, abaixo dos 59,27% anotados anteriormente.

Por fim, para a região Norte, o ONS estabeleceu a previsão de ENA em 60% para fevereiro, abaixo do indicador registrado na semana anterior, de 64% – no entanto, o nível dos reservatórios do subsistema deve subir, passando dos atuais 24,38% para 28,1% ao final do mês.

Demanda

O ONS também revisou sua previsão de carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) para fevereiro, passando a prever 69.425 MW médios, o que corresponde a um aumento de 1,7% ante o mesmo mês de 2016. A projeção anterior apontava para uma carga de 69.463 MW médios, ou crescimento de 1,8% frente a fevereiro do ano passado.

Segundo o operador, o subsistema Sudeste/Centro-Oeste deverá demandar uma carga de 40.829 MW médios no mês, alta de 1,3% na base anual (a projeção anterior apontava para 40.842 MW médios).

Para a região Sul, a previsão passou a ser de alta de 0,6%, abaixo do crescimento de 1,3% estimado na semana passada. O Norte teve a projeção revista de queda de 2,6% para retração de 1,5%, enquanto a projeção para o Nordeste permaneceu estável em alta de 6,6%.

CMO

O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) divulgado nesta sexta também aponta um aumento no custo de geração de energia nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, enquanto no Nordeste o indicador ficou estável.

Para a semana entre 4 e 10 de fevereiro, o Custo Marginal de Operação (CMO) nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul foi fixado em R$ 94,58/MWh, acima dos R$ 80,44/MWh da semana passada. No Norte, o custo passou de R$ 80,44/MWh para R$ 84 48/MWh.

No Nordeste, submercado com maior CMO, os preços não oscilaram, permanecendo em R$ 176,69/MWh. O CMO é utilizado como referência para a definição do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), indicador que deve ser divulgado ainda nesta tarde pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Estadão Conteudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp