Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O ex-presidente da Odebrecht, Emílio Alves Odebrecht, e o ex-diretor de relações institucionais da empreiteira, Alexandrino Alencar, disseram, em depoimentos à Lava Jato, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu a melhorar o relacionamento entre a empresa e a ex-presidente Dilma Rousseff em troca de apoio aos negócios de Luís Cláudio Lula da Silva, filho caçula do petista.

Em petição enviada à Justiça Federal do Paraná, o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, recomenda análise conjunta do caso.

Segundo a petição enviada por Fachin à Justiça Federal do Paraná, os delatores disseram que chegaram a ter uma reunião com Luís Cláudio para tratar de apoio ao projeto “Touchdown”, que previa a criação de uma liga de futebol americano no Brasil.

“Os colaboradores relatam que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva teria se comprometido a melhorar a relação entre o Grupo Odebrecht e a então presidente da República Dilma Rousseff, sendo que, em contrapartida, receberia o apoio da Odebrecht na atividade empresarial desenvolvida por seu filho Luís Cláudio Lula da Silva. Há menção, nesse contexto, de reunião entre Luís Cláudio Lula da Silva e representantes da empresa, ocasião em que foi apresentado ao grupo o projeto ‘Touchdown’, associado à criação de liga de futebol americano no Brasil.

Luís Cláudio também é investigado no âmbito da Operação Zelotes da Polícia Federal. A empresa dele, LFT Marketing Esportivo, teria recebido R$ 2,5 milhões da Mautomi & Marcondes, empresa que representava os interesses de montadoras de automóveis em Brasília.

Segundo o Instituto Lula, “os advogados não conhecem os autos, reiteram que Lula nunca agiu na ilegalidade e que o ex-presidente vem sendo alvo de acusações frívolas e sem nenhuma materialidade”.

Com informações O Estado de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp