Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (12) a Operação Constrição com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que realizava fraudes na Previdência Social. O grupo atuava no norte de Minas Gerais e há servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) envolvidos.

Foram cumpridas 22 ordens judiciais, incluindo dois mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária e sete de condução coercitiva. Também foram realizadas buscas em endereços ligados à organização.

De acordo com as investigações, os integrantes do grupo obtinham vantagem indevida ao fraudar a concessão de benefícios previdenciários, principalmente aposentadorias por idade de moradores da área rural. Em troca, eles recebiam o pagamento de valores obtidos através de empréstimos consignados contratados em nome dos beneficiários do esquema.

Segundo a PF, o prejuízo causado até março de 2017 foi de R$ 902,9 mil, sendo R$ 486,4 mil na concessão dos benefícios fraudados e R$ 416,5 mil na contratação dos empréstimos consignados. Esses valores dizem respeito a 49 casos já analisados de quase uma centena em investigação. Considerando a expectativa de vida dos beneficiários do esquema, a PF estima que o prejuízo a longo prazo poderia chegar a R$ 13 milhões.

Os investigados serão indiciados por estelionato, falsidade ideológica, organização criminosa e inserção de dados falsos em sistemas de informações. Se condenados, os acusados podem ter penas que ultrapassem 30 anos de prisão.

Com informações Agencia Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp