Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Estado apurou que Joesley, sócio da JBS, está em contato com um advogado especialista no assunto, Luciano Feldens, que assessorou Marcelo Odebrecht em sua delação. A assessoria da JBS, no entanto, nega qualquer mobilização nesse sentido. A imagem da empresa tem sido arranhada por sucessivas investigações. A Bullish foi a quarta operação da PF envolvendo o grupo J&F, holding controladora da JBS, em menos de um ano.

Do lado dos investigadores, em especial da 1.ª Instância em Brasília, a movimentação do empresário causa receio. Qualquer negociação só será possível se começar pelo detalhamento da relação entre Joesley e suas empresas com o operador financeiro Lúcio Funaro, elo com Eduardo Cunha. Segundo o Estado apurou, os investigadores acreditam que Cunha foi uma espécie de substituto de Palocci para o grupo continuar tendo facilidade em empréstimos com bancos públicos.

Depoimentos. Na operação de ontem foram cumpridos 37 mandados de condução coercitiva e 20 mandados de busca e apreensão. Do total, 47 mandados envolviam técnicos, executivos ou ex-executivos do BNDES. Alguns nunca haviam acompanhado negócios para a JBS e responderam perguntas sobre outras empresas investigadas em operações ligadas à Lava Jato. Entre os que tinham trabalhado em operações da JBS, parte das perguntas dos investigadores trataram exclusivamente sobre Palocci e suas possíveis relações com a JBS e o BNDES. Trechos dos depoimentos foram narrados para os colegas da instituição quando todos se reuniram num ato de solidariedade no auditório da sede, no Rio de Janeiro (leia mais abaixo).

Internacionalização. A investigação da PF vai mostrar que uma empresa de consultoria de Palocci, a Projetos, foi contratada pela JBS em 1.º de julho de 2009, pelo prazo de 180 dias, para atuar na internacionalização das operações do grupo frigorífico. Caberia a ela fazer a avaliação de ativos e de passivos da empresa alvo, assessorar nas negociações e fixar valores de honorários.

Chamou atenção dos investigadores o fato de, justamente quando a empresa de Palocci entrou em cena, a JBS tenha fechado dois negócios cruciais para transformá-la na maior empresa de carnes do mundo – com apoio financeiro do BNDESPar. Palocci entrou em julho. No dia 16 de setembro daquele mesmo ano, a empresa anunciou a fusão com a brasileira Bertin e a compra da americana Pilgrim’s por US$ 2,8 bilhões.

Segundo fontes próximas do grupo, o contato com Palocci foi herdado da família dona do grupo Bertin. O sócio Natalino Bertin é que os teria apresentado, quando Palocci ainda era ministro da Fazenda. Natalino também foi alvo da Operação de ontem. A Justiça determinou busca e apreensão de documentos em sua residência.

O empresário Joesley Batista sempre teve um perfil arrojado em seus negócios, mas foi após o início desse convívio com Antônio Palocci que a JBS acelerou a expansão. Ambos eram vistos frequentando lugares públicos. Fontes próximas a ambos dizem que o ex-ministro chegou a visitar a ilha de Joesley, em Angra dos Reis, e era frequentador assíduo de sua residência.

Delações Para a família Batista, o sinal vermelho teria acendido quando a PF realizou a segunda fase da operação Greenfield e prendeu o empresário Mario Celso. Os empresários, segundo o Estado apurou, teriam então procurado o criminalista Luciano Feldens. O advogado não foi encontrado para comentar.

Ex-procurador da República, Feldens é apontado pelos integrantes da Lava Jato como negociador preparado. O advogado teria conseguido “desatar nós” ao longo da delação de Marcelo Odebrecht. O jurídico da empresa também já teria iniciado as primeiras sondagens com o MPF.

Com informações O Estado de São Paulo