Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Procuradoria-Geral da República pediu a Polícia Federal, nessa terça-feira, 23, que abra inquérito para investigar a conduta do coronel da reserva do Exército, Carlos Alves, que, em vídeo publicado no Youtube, xingou a ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Federal (TSE) de “corrupta”.

A determinação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, é uma resposta à Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que, por unanimidade, decidiu nessa terça-feira pedir que a Procuradoria apurasse o caso. Para a Procuradoria, o coronel da reserva pode ter incorrido nos crimes de calúnia, difamação, injúria e ameaça.

“Neste grave contexto de ofensa às Instituições democráticas e a seus integrantes, notadamente ao Supremo Tribunal Federal e ao Tribunal Superior Eleitoral, também vislumbro a caracterização, em tese, do crime de ameaça aos Ministros dessas Cortes, principalmente à ministra presidente do Tribunal Superior Eleitoral, além de outras pessoas referidas no citado vídeo”, escreve Dodge no pedido à Polícia Federal.

A fala de Carlos Alves foi publicada aparentemente na segunda-feira, 22. O Exército confirmou que Alves é coronel da reserva e disse que o comandante da instituição, o General Villas Bôas, pediu ao Ministério Público Militar que investigue se houve “o cometimento de possível ilegalidade” nas declarações de Alves.

“O referido militar afronta diversas autoridades e deve assumir as responsabilidades por suas declarações, as quais não representam o pensamento do Exército Brasileiro”, diz nota enviada pelo Centro de Comunicação Social do Exército.

No vídeo, o coronel critica o fato de Rosa Weber, na condição de presidente do TSE, ter se reunido com representantes do PT que foram ao tribunal pedir providências na ação movida pelo partido contra o suposto esquema ilegal para beneficiar o candidato adversário Jair Bolsonaro (PSL) por meio do envio em massa de mensagens pelo WhatsApp.

“E esta salafrária, esta corrupta, essa ministra corrupta e incompetente. Se ela fosse uma mulher séria, se ela fosse uma mulher patriótica, se ela não devesse nada pra ninguém, ela nem receberia essa cambada no TSE”, diz Alves, no vídeo.

A ação do PT contra a campanha de Bolsonaro foi motivada por reportagem do Jornal Folha de São Paulo que apontou que empresas e empresários estariam comprando pacotes de envio em massa de mensagens contra o candidato do PT pelo WhatsApp, com o objetivo de favorecer Bolsonaro. A prática é vedada pela lei eleitoral.

Bolsonaro afirmou não ter conhecimento de qualquer irregularidade na campanha e disse desconhecer os fatos apontados pela Jornal Folha de São Paulo. No vídeo, Carlos Alves fala, se dirigindo à ministra, que ela “não se atreva” a dar seguimento à ação da campanha do PT contra Bolsonaro.

“Olhe aqui Rosa Weber, eu vou te falar uma coisa aqui, TSE e Supremo Tribunal Federal, primeiro que eu falo mesmo não tenho medo de vocês não tenho medo de ninguém. Eu já falei uma vez, já falei duas, falo dez mil vezes e hoje eu estou autorizado a dar uma informação pra vocês”, diz o coronel da reserva.

“Não te atreve, não te atreve a ousar aceitar esta afronta contra o povo brasileiro, esta proposta indecente do PT de querer tirar Bolsonaro do pleito eleitoral acusando-o de desonestidade, acusando-o de ser cúmplice numa campanha criminosa, bilionária e fraudulenta com o WhatsApp para promover notícias falsas”, afirma Alves, no vídeo.

Em outro trecho, ele afirma que integrantes das Forças Armadas poderão “derrubar” o TSE caso o tribunal emita decisão contrária a Bolsonaro. “E como eu, outros coronéis, generais, comandantes da Marinha, brigadeiros, almirantes, nós não aceitaremos fraude, Rosa Weber”, disse o coronel.

“Primeiro, se você aceitar essa denúncia ridícula e tentar tirar Bolsonaro por crime eleitoral, nós vamos derrubar vocês aí sim, porque aí, acabou”, afirmou Alves.

Com informações do Portal Uol Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp