Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Museus têm programação especial no período de verão
Nos próximos meses bens culturais pertencentes aos acervos de cinco museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) estarão disponíveis on-line. A iniciativa faz parte do Projeto Google Art, parceria entre Ibram e Google Inc.

Nesta primeira fase do projeto participam o Museu Imperial, em Petrópolis (RJ); o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), os Museus Castro Maya e o Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro; e o Museu Lasar Segall, em São Paulo (SP).

Inicialmente, estarão disponíveis on-line imagens do interior e edificação dos museus, por meio da tecnologia Street View, imagens de peças emblemáticas dos acervos de cada instituição, capturadas em alta definição (ArtCamera), além de conteúdos relacionados – como plantas baixas e dados de identificação (metadados) das obras.

Em reunião com a equipe do Google no final do mês passado, o ministro da Cultura, Roberto Freire, ressaltou a função educacional desse tipo de tecnologia para a formação cultural de crianças e jovens. “Temos um projeto para disponibilizar ferramentas como essa nas escolas públicas brasileiras. Precisamos avançar com políticas públicas que permitam o uso da tecnologia em favor da cultura e da sociedade”, destacou.

Com as imagens das galerias e edificações dos museus já capturadas, está em andamento a fotografia das obras: cerca de 100 imagens devem ser feitas em cada instituição. Com a inclusão dos metadados, a última fase será a construção das exposições virtuais que alinham as obras em torno de narrativas.

O lançamento dos conteúdos digitais dos museus Ibram na plataforma Google deve ocorrer durante o 7º Fórum Nacional de Museus, na cidade de Porto Alegre (RS), no mês de junho.

Google Art

O Google Art é um projeto sem fins lucrativos desenvolvido pelo Instituto Cultural da Google. Com instituições parceiras em mais de 60 países e cerca de 45 mil obras on-line, 26 instituições brasileiras já se encontram no projeto – como a Pinacoteca de São Paulo, o Museu do Amanhã (RJ), a Fundação Athos Bulcão (DF) e Inhotim (MG), entre outros.

A proposta é divulgar os acervos culturais, obras de arte e documentos históricos que estão fisicamente em museus e instituições de todo o mundo por meio da rede mundial de computadores, ampliando sua acessibilidade para pessoas no mundo inteiro. Saiba mais.

Fonte: Portal Brasil