Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente do diretório estadual do PT do Rio, Washington Quaquá, ex-prefeito de Maricá (RJ), quebrou o silêncio que imperava no PT sobre a possibilidade de um substituto para Luiz Inácio Lula da Silva, o chamado “plano B”, caso o ex-presidente seja impedido pela Justiça de disputar a Presidência na eleição do dia 7 de outubro. A iniciativa contraria decisão do partido de formalização da pré-candidatura do petista, tomada um dia após Lula ter condenação confirmada pela Justiça da segunda instância por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Em texto intitulado “Permita-me discordar!”, postado na quarta-feira, 31, na página oficial do PT-RJ no Facebook, Quaquá propõe que o PT mantenha a candidatura de Lula até o limite legal, conforme já foi aprovado e divulgado amplamente pelo partido, mas discuta abertamente o “plano B” e escolha “um petista amplo e com experiência de governo, sem sectarismo, que seja seu companheiro de chapa e substituto em caso de violência institucional do TSE [Tribunal Superior Eleitoral]”.

Segundo Quaquá, ao insistir em não apontar uma alternativa a Lula, o PT corre risco de transformar sua “bomba nuclear” em um “artefato inativo eleitoralmente”. “E por fim, sinceramente, precisamos discutir muito bem o que é esse negócio de não ter ‘plano B’. Não temos nenhuma dúvida de que Lula é nosso líder e, muito mais que isso, o líder do povo brasileiro! Ele comandará essa eleição queira ou não o estado policial! Mas nós não podemos fazer burrada e nos isolar ao ponto de tornar-se a nossa maior arma; a nossa bomba nuclear, em um artefato inativo eleitoralmente. Lula tem que ser inscrito nosso candidato mesmo com a condenação e mesmo preso, se eles chegarem a esse cúmulo do arbítrio! Mas temos sim que ter um petista na chapa, como vice, desde já que sinalize pro Brasil e pro meio político qual o caminho vamos seguir caso façam uma violência maior e desmedida! Lula tem que dizer para o Brasil e para o povo! Eu sou ‘fulano’ e fulano sou ‘eu’. Querem me fazer uma violência para acabar com os direitos do povo! Se fizerem, eu estarei representado por “Fulano” e vocês vão ser meus guardiões votando nele e nos nossos deputados, senadores e governadores! Essa é inclusive a melhor forma de resguardar o Lula! Escolhendo um petista amplo e com experiência de governo, sem sectarismo, que seja seu companheiro de chapa e substituto em caso de violência institucional do TSE! Esta é inclusive uma forma de dissuasão de uma violência maior, porque tornará esta inócua, pois o resultado eleitoral será definido pelo próprio Lula. Os juízes e todo esse complexo golpista saberão que vão violentar o vitorioso das eleições presidenciais”, escreveu.