Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Comissão Estadual Judiciária de Adoção Internacional (Cejai) do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) promoveu, nesta sexta-feira (21), curso psicossocial e jurídico para pretendentes à adoção. Também capacitou servidores do Judiciário responsáveis pela operacionalização do Cadastro Nacional de Adoção (CNA).

O treinamento, realizado em parceria com o Ministério Público e as Redes Adotiva e Acalanto, é etapa indispensável para quem deseja adotar. Foram abordadas questões relacionadas ao acolhimento institucional de crianças e adolescentes, além dos aspectos sociais, psicológicos e jurídicos. Serve ainda de oportunidade para que os interessados esclareçam dúvidas sobre o procedimento.

A funcionária pública Ana Maria Barbosa destacou que “a experiência é fundamental. Sou filha adotiva e recebi muito amor da minha família. Então, sempre tive o desejo de adotar, independentemente de poder ter filho ou não. O curso é maravilhoso, esclarecedor, e também nos prepara para os desafios que enfrentaremos”.

O esposo da servidora, Samuel Pereira, que é comerciante, disse que eles se sentem ainda mais preparados. “Sempre admirei a experiência da minha esposa com o pai adotivo. Quero fazer o mesmo com o nosso futuro filho”. Eles são casados há quase 14 anos e residem em Horizonte, Região Metropolitana de Fortaleza.

Para o pretendente Adalberto Monteiro, casado com a professora Vanderlúcia Dias, “vale a pena adotar. Adoção é um laço mais forte do que sangue. Eu e minha esposa temos muito amor para dar e acreditamos que receberemos na mesma medida. Apostamos na adoção. Que a gente se realize como casal, com esse desejo forte que temos de ser pai e mãe, e que, com a graça de Deus, conseguiremos adotar uma criança, e ela será muito feliz e nos fará muito feliz também”.

O promotor de Justiça Dairton Oliveira destacou a importância do treinamento. “No curso, falamos sobre os direitos e deveres dos candidatos, a preparação, documentação necessária e, principalmente, sobre o que esperamos deles. O objetivo é abrir perfis. Mostrar para os pretendentes que a criança idealizada é diferente daquela que está na instituição de acolhimento. Além da parte jurídica, também fazemos essa parte de aproximação, de visita e conhecimento entre as partes, fornecendo contato, abrindo os horizontes e permitindo que algumas vinculações aconteçam.”

Ao final, foi fornecida certidão comprobatória de participação válida em todo Brasil.

CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES

Já a capacitação dos servidores lotados na 5ª e 6ª Zonas Judiciárias ficou a cargo do coordenador da Seção de Cadastro de Adoção de Fortaleza, Deusimar Rodrigues. “Foi repassado, principalmente, como é feito o gerenciamento do CNA em cada comarca. O juiz nomeia servidor para se responsabilizar pelos dados das crianças e dos pretendes.” Ele informou ainda que a previsão é que sejam realizados mais dois cursos (em Tauá e Barbalha) até o fim do ano.

O TJCE vem promovendo treinamentos em todas as Zonas Judiciárias do Estado, conforme determina a Portaria nº 1.028, publicada no Diário da Justiça do dia 16 de junho de 2017.

 

 

 

Com informação do TJCE