Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia realizou nessa quarta-feira (4) a cerimônia de certificação de 92 professores que participaram do projeto “Conhecendo a Nossa História: da África ao Brasil”. O evento aconteceu no salão principal do Grêmio de Recreio e Estudos de Caucaia e contou com a exposição de projetos desenvolvidos pelos formandos em sala de aula e apresentações culturais.

Fruto de parceria da Prefeitura com a Fundação Cultural Palmares, a formação continuada teve duração de um ano com o objetivo de promover e preservar a cultura afro-brasileira no município. Caucaia tem o maior número de comunidades quilombolas oficialmente reconhecidas do Ceará. São, ao todo, 11 regiões remanescentes de quilombo.

“O projeto busca contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, retirando da invisibilidade a cultura negra, formadora da identidade nacional, e eliminando as desigualdades históricas e as discriminações raciais, étnicas, culturais e religiosas”, afirma Cláudia Quilombola, Supervisora de Inclusão Afro-Territorial da SME.

A secretária de Educação, professora Camila Bezerra, destacou a diversidade étnica de Caucaia e a necessidade de conhecer a história da cidade e do seu povo, anunciando que em breve será distribuído nas escolas da rede de ensino municipal um livro específico sobre a formação e a história caucaiense.

Além disso, a titular da pasta elogiou a formação docente e destacou a necessidade de os educadores conhecerem e trabalharem em sala de aula a história e a cultura afro-brasileira, de forma a identificarem e corrigirem estereótipos e conceitos equivocados que reforçam desigualdades.

Um novo curso do projeto “Conhecendo a Nossa História: da África ao Brasil” deverá ser realizado em 2020, abrangendo mais professores da rede municipal de ensino de Caucaia.

 

 

 

 

 

(*)com informação da A.I

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp