Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Um projeto de recolhimento de lixo das águas do Cocó está na final do Prêmio Nacional da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente. O trabalho Limpeza e desobstrução do canal principal do rio Cocó, coordenado pelo geógrafo Leonardo Borralho da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará, concorre com outras 17 iniciativas na categoria júri popular.

A necessidade de desobstruir as margens e o canal do rio em cinco trechos localizados em Fortaleza, tomados principalmente por aguapés, fez surgir em 2014 a urgência iniciar a limpeza do canal principal do rio Cocó, em Fortaleza. Ações pontuais, segundo Leonardo Borralho, não davam conta da velocidade com que o espelho da água se enchiam de plantas invasoras. Espécies que se favorecem, notadamente, com a poluição urbana.

Para se ter uma ideia, de 2014 a dezembro de 2016, foram retiradas 2.300 toneladas de resíduos sólidos, capim, troncos e aguapés. Agentes responsáveis, por exemplo, pela eutrofização da água ou redução da oxigenação do rio.