Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A bancada do PSDB de Minas Gerais na Câmara Federal decidiu, nessa terça-feira, 20, em Brasília, trabalhar para o partido lançar candidato próprio ao governo do Estado com o objetivo de assegurar palanque para que o senador Aécio Neves tente a reeleição em outubro.

Segundo colocado na disputa à Presidência da República em 2014, o senador tucano sofreu um forte revés ao ser gravado pelo empresário Joesley Batista pedindo R$ 2 milhões.

Em junho de 2017 a Procuradoria-Geral da República denunciou o senador por corrupção e obstrução da Justiça. O Supremo Tribunal Federal chegou a afastá-lo do mandato e determinar o seu recolhimento domiciliar noturno. Em votação apertada (44 a 26), porém, o Senado derrubou essas medidas cautelares em outubro.

A decisão de lançar candidatura própria em Minas se deu após fracassar a tentativa de o PSDB fechar uma aliança com o DEM, que deve lançar o deputado federal Rodrigo Pacheco ao governo do Estado. A expectativa dos tucanos era que essa chapa abrigasse a candidatura de Aécio.

O nome do candidato tucano ao governo ainda não foi definido, mas pode ser também um deputado, Domingos Savio ou Marcus Pestana. Esse último afirmou que a situação de Aécio não foi discutida na reunião.

“Até 7 de abril muita coisa pode acontecer em termo de desincompatibilização de atores importantes e trocas de partidos. O jogo só está começando, mas os deputados federais tucanos resolveram se unir para ter voz ativa nas negociações. Consideram que precisam assegurar palanque forte para Geraldo Alckmin [presidenciável do partido] em Minas”, disse o deputado.

Como senador, Aécio tem foro privilegiado e investigações relativas a ele tramitam no Supremo Tribunal Federal. Caso não consiga a reeleição, ele passa a ser alvo da primeira instância.