adobe animate cc code snippets free windows 10 no inicia pantalla negra con cursor parpadeando free vpn client download windows 8.1 free instalar gratis microsoft word 2016 free dopdf for windows 10 adobe fireworks cs6 windows free hp deskjet 1050 software for windows 10

O protesto de parentes de policiais militares do Espírito Santo chega ao 10º dia nesta segunda-feira. Mulheres ocupam a frente da sede do Comando Geral da PM e prometem impedir a saída dos policiais. Mas a expectativa é que eles continuem a se apresentar para o trabalho diretamente nas ruas, como fizeram durante o fim de semana. Há ônibus circulando na Grande Vitória  e as aulas estão sendo retomadas nas escolas estaduais. Postos de saúde também reabriram.

Os PMs começaram a retornar às ruas no sábado (11), depois de um acordo com representantes da categoria e governo e um chamado do comando geral da PM.

Ontem, domingo, mais de 1.200 policiais voltaram às ruas. Eles se somam aos cerca de 3 mil integrantes das Forças Armadas e da Força Nacional que atuam no estado em razão da crise. Em um dia normal, o Espírito Santo tem 2 mil policiais nas ruas.

 

Segundo o Sindirodoviários, que representa os trabalhadores de ônibus, 99% da frota intermunicipal da Grande Vitória voltaria a operar nesta segunda-feira. A expectativa é que escolas particulares e postos de saúde que fecharam na semana passada reabram. A Fecomercio-ES recomendou que os comerciários voltem à ativa. Os Correios também funcionam.

As mulheres dos PMs iniciaram os protestos em 4 de fevereiro, para pressionar o governo a conceder reajustes melhores condições de trabalho aos policiais. A partir de então, os PMs deixaram de patrulhar as ruas. As mulheres sempre alegam que são elas que estão no comando da paralisação. Mas, para as autoridades, essa é uma tentativa de encobrir o que, na verdade, seria um motim dos PMs.

Sem policiamento nas ruas, uma onda de violência se instaurou. Saques e assaltos se tornaram comuns. Em nove dias, o estado teve 144 mortes violentas, segundo o Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol). Em todo o mês de fevereiro de 2016, foram 122 mortes violentas, segundo os registros oficiais.

Fonte: G1