Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O ex vice-governador e atual presidente estadual do PSD, Domingos Filho, enfrenta uma situação adversa após a denúncia envolvendo o ex-prefeito e presidente do diretório municipal da sigla em Nova Russas, Marcos Alberto, por falsificar e alterar documentos particulares para fins eleitorais. A decisão da 48° zona eleitoral da cidade determinou a aplicação de medidas cautelares contra Marcos Alberto.

“É desaconselhável um agente publico estimular a fraude para ampliar o numero de filiações a um partido, uma situação que acaba gerando constrangimento e mal estar para a cúpula estadual do PSD, ou melhor, uma dor de cabeça que está sendo administrada pelo ex vice governador Domingos Filho”, diz Luzenor de Oliveira.

Beto destaca que tudo deve ser feito com base na legislação, pois em qualquer âmbito a falsificação de documentos é um crime. “E se essa pessoa já estivesse filiado a outro partido, você imagina ,e se essa pessoa estivesse filiado a outro partido e tentando concorrer a outra vaga de vereador, você imagina o prejuízo que ele possa ter causado pra essa pessoa“, afirma Beto Almeida ao comentar sobre a denúncia contra o ex-prefeito.

Por fim, Beto explica que a razão para esse tipo de fraude acontecer se dá pelo fato de que o cenário das eleições gera a vontade imediata de formalizar as atas para oficializar o registro das candidaturas. Para isso, é necessário ter um número exato de elementos para formação de uma comissão provisória e depois estruturar a comissão municipal definitiva e, na pressa de ter o mínimo de membros, acabam pegando o nome de qualquer um para encaminhar a documentação à justiça eleitoral.

Registro de candidaturas

Com o início da campanha eleitoral marcado para começar no próximo domingo, dia 27, o Ministério Público acende o sinal de alerta para não permitir que os partidos descumpram as recomendações sanitárias e provoquem aglomerações de modo irresponsável. As convenções foram uma demonstração de que os órgãos de fiscalização terão que trabalhar de maneira intensiva para coibir a realização de grandes reuniões pelas siglas.

Ao comentar sobre o tema, Beto Almeida diz que o MP precisa ser enérgico na fiscalização e rígido na punições aos partidos que não adotaram as regras sanitárias. “O Ministério Público precisa dar sinalização de que vai ser forte o suficiente, porque se ele não tomar pé agora, quando essa campanha começar no domingo, vai ser um verdadeiro carnaval fora de época no no interior do Ceará”, declara.