Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A titular da Secretaria da Justiça do Ceará, Socorro França, reconheceu, em entrevista ao Fantástico da TV Globo, que se sente “enxugando gelo” e que é problemática a presença de membros de facções criminosas no mesmo espaço nos presídios, mas afirma que fazer a divisão por facções nas cadeias do Estado é “humanamente impossível”. Vale lembrar, que o Ceará vive uma onda de ataques e um acirramento na guerra entre facções criminosas no Ceará.

Questionada se membros de facções criminosas no mesmo espaço não significaria uma sentença de morte para os presos, Socorro é objetiva: “eu entendo assim”. A secretária da Justiça ainda disse que “no interior do estado, como nós temos 132 cadeias é humanamente impossível dividir por facções”. Socorro França ainda admite que não vê solução em curto prazo.

Superlotação

Em todo o estado, são 16 grandes unidades prisionais e 132 cadeias públicas municipais que abrigam mais de 28 mil presos, com excedente de 140% da capacidade. A superlotação e a convivência de membros de facções rivais no mesmo espaço físico são fatores que influenciam os conflitos, segundo o delegado de Itapajé, André Firmino.

No dia 29 de Janeiro, 10 presos foram assassinados na Cadeia Pública da cidade, distante 135 quilômetros de Fortaleza. O confronto foi entre integrantes do Comando Vermelho (CV) e do Primeiro Comando da Capital (PCC). O PCC é aliado do GDE, segundo autoridade da área de inteligência no estado.

Dois dias antes, 14 pessoas haviam sido assassinadas no clube Forró do Gago, na madrugada de 27 de janeiro, no bairro das Cajazeiras, em Fortaleza. A casa de forró era frequentada por membros do Comando Vermelho (CV), segundo moradores do bairro e um policial militar. O ataque é atribuído pelas mesmas pessoas aos Guardiões do Estado (GDE), uma facção local.

Separação e controle

“Há uma discussão muito grande sobre a separação dessas facções. Alguns entendem que deixando-as juntas elas, obviamente, fariam o que fizeram em Itapajé. Outros entendem que, separando-as, nós estaríamos fortalecendo-as”, diz Socorro França.

Segundo a secretária, é “impossível” fazer esse controle nas cadeias municipais. “Nas grandes unidades prisionais onde nós temos, em média, 2 mil internos – por conta da superlotação – a gente consegue fazer essa separação em alas. O Estado não tem mãos longas para dizer que a cadeia de Itapajé vai receber presos da facção ‘x’ e a de Sobral, somente os da outra facção.”

Com informações do G1 Ceará