Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) disse que o cidadão deve denunciar pichações em que criminosos tentam estabelecer ordem aos cidadãos. O descumprimento de uma dessas exigências foi a motivação do assassinato do motorista de Uber de 22 anos Guilherme Maia, de acordo com a principal linha de investigação policial.

Ele foi morto a tiros no Bairro Ancuri, em Fortaleza, onde uma mensagem pichada na parede dizia que motoristas de veículos devem trafegar na área com os vidros baixos; e motociclistas, sem capacete.

“A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informa que não há lugar no Estado onde a Polícia não entre e orienta à população que ocorrências desse tipo devem ser comunicadas, por boletim de ocorrência ou por meio de denúncia anônima, via disque denúncia (181) da SSPDS, cujo sigilo é garantido. A SSPDS afirma ainda que não tolera qualquer tipo de conduta que faça exigências ao cidadão que não sigam às leis em vigor no Estado”, disse a pasta, em nota.

Ainda segundo a secretaria, em caso denúncia de criminosos que tentam estabelecer normas, o procedimento padrão é a ocupação policial dessas áreas com tropas especiais e investigação criminal dos setores de inteligência do Sistema de Segurança.

De acordo o pai de Guilherme Maia, o motorista tinha acabado de deixar um passageiro no bairro e, ao voltar, foi abordado por homens que pediram que ele baixasse os vidros do carro. O rapaz se recusou e os homens atiraram. Guilherme foi atingido por um tiro na cabeça e não resistiu.

O corpo do motorista da Uber foi sepultado sob comoção de familiares e amigos no fim da manhã de terça (25) no Cemitério Parque da Saudade, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. O funeral ocorreu no Centro da capital. Os pais dele chegaram emocionados ao local e foram amparados por parentes.

A polícia apreendeu na noite desta quarta-feira (26) dois adolescentes suspeitos de participarem do assassinato do motorista. A dupla de 13 e 16 anos foi capturada por policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em uma casa na mesma localidade onde ocorreu o crime.

“Descobrimos que a vítima foi atingida por um único tiro de uma espingarda calibre 12, disparado pelo infrator de 16 anos. A munição utilizada é do tipo balins, que ao sair da arma provoca diversos estilhaços, que equivalem a vários tiros de calibre 12”, afirmou o delegado Osmar Berto, responsável pelo caso.

Com informações G1 – Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp