Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O secretário da Segurança Pública do Ceará, André Costa, por meio de redes sociais, fez um balanço das investigações sobre a “chacina das Cajazeiras” nessa terça-feira, 30 e relatou que ações ostensivas estão sendo feitas para evitar que situações semelhantes ocorram em Fortaleza.

O crime, ocorrido na madrugada do último sábado, 27, vitimou 14 pessoas e deixou 18 feridos. André Costa afirmou que, além das seis pessoas presas suspeitas de participação, cinco armas foram apreendidas e um outro suspeito foi morto em confronto com a polícia. O secretário disse que está é a maior investida da polícia cearense contra as facções.

“Não tenho dúvida alguma, ao conversar sobre o andamento das investigações com nossos policiais, que essa será a maior operação, a maior investida da polícia cearense contra as facções, pois todo crime deixa evidências que permitirão avançar nas investigações, e pela construção de uma maior integração com o Ministério Público e o Poder Judiciário”, disse.

Prisão de suspeitos

Um suspeito foi preso ainda no sábado, portando um fuzil, nas proximidades de onde o crime ocorreu. Outro homem foi morto na madrugada de domingo, 28, em confronto com a polícia, no bairro Boa Vista. Ele portava uma pistola calibre 9 mm. Outros cinco homens foram presos durante um velório no domingo. Eles estavam armados com duas pistolas calibres .45 e 380, além de um revólver 38.

Confira o texto completo do secretário

“O TRABALHO DOS ÚLTIMOS DIAS

Desde a madrugada do último sábado, 27, quando soubemos da ação covarde de membros de um grupo criminoso, temos trabalhado incansavelmente. Focando bastante na investigação do caso, a cargo da DHPP e da DRACO. Dos suspeitos temos 6 presos e 1 que foi morto em confronto com a polícia. 5 armas apreendidas, sendo 1 fuzil, 3 pistolas calibres 9mm, .45 e 380, além de um revólver 38, alguns sendo calibres compatíveis com os encontrados no local do fato.

Outro foco que mantemos é no trabalho ostensivo de nossos policiais militares, para manter a ordem nas ruas e evitando situações semelhantes, efetuando várias prisões com apreensões de drogas. A intensidade das abordagens já gerou 34 armas apreendidas apenas em Fortaleza e Região Metropolitana de sábado até agora.

Tenho participado e acompanhado pessoalmente nas ruas da cidade, as investigações, as perícias e o trabalho de policiamento ostensivo, desde a noite de sábado, passando para nossos policiais toda a força, a firmeza e o foco nas soluções de problemas que mantenho diariamente.

Não tenho dúvida alguma, ao conversar sobre o andamento das investigações com nossos policiais, que essa será a maior operação, a maior investida da polícia cearense contra as facções, pois todo crime deixa evidências que permitirão avançar nas investigações, e pela construção de uma maior integração com o Ministério Público e o Poder Judiciário. O orgulho é grande de estar à frente desses guerreiros e guerreiras, que mais do que nunca tem externado a vontade de juntos superarmos esse momento difícil e seguirmos construindo legados para que nossa polícia seja referência para todo o País.

Quero dizer que confio absolutamente no trabalho de nossos policiais civis, profissionais da perícia forense, e policiais militares, para darmos uma resposta que todas as famílias que perderam seus entes queridos merecem, assim como toda a sociedade cearense”.