Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma operação contra um esquema de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro cumprem 13 mandados no Ceará, Piauí e Maranhão, nesta sexta-feira (13). As investigações apuram ainda o envolvimento de agentes públicos e contadores .

A Secretaria da Fazenda do Ceará (Sefaz-CE), o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), além dos ministérios públicos do Piauí e do Maranhão estão à frente da operação.

Na primeira fase, em abril deste ano, foram alvo da operação empresas que movimentaram mais de R$ 5 bilhões no Ceará. Nove pessoas foram presas no estado por envolvimento no esquema. Na ocasião, outros 35 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em território cearense.

Dos 13 mandados, cinco são de prisão (quatro temporárias e uma preventiva) e oito de busca e apreensão. As ordens judiciais são cumpridas nas cidades de Limoeiro do Norte, Russas, Tabuleiro do Norte, Crato e Fortaleza.

Entenda o caso

A investigação do MPCE, coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal (Gaesf), começou em 2018 após recebimento de informação fiscal da Sefaz. O documento apresentava evidências de um gigantesco esquema criminoso voltado, em especial, para crimes contra a ordem tributária, tendo como principal beneficiária a empresa Bandeira Indústria de Alumínio Ltda. Durante as investigações, foi confirmado o envolvimento de pelo menos 22 empresas na rede criminosa, sendo 18 de fachada e outras quatro de capital fechado, criadas com o único propósito de “alimentar” o esquema da Bandeira.

A atividade principal da organização criminosa consistia na criação de empresas fictícias constituídas por “laranjas” e responsáveis pela emissão de inúmeras e milionárias notas fiscais fraudulentas com o objetivo de beneficiar, mediante a geração de créditos indevidos de ICMS, as principais empresas envolvidas. Há evidências ainda de que o esquema criminoso não apenas adquiria créditos fiscais indevidos, mas também fornecia créditos fiscais fraudulentos para empresas diversas, implicando em lavagem de dinheiro, falsidade, dentre outros delitos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp