Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Senado retoma hoje (2), a partir das 11h, a sessão preparatória para eleição do novo presidente da Casa. A votação é marcada com votação secreta e será conduzida pelo senador José Maranhão (MDB-PB) – que é o mais idoso do Senado.

+ Toffoli determina votação secreta na eleição do Senado

A reunião para a escolha da Mesa Diretora do Senado foi adiada após cinco horas de discussões. O impasse se deu em torno da decisão pelo voto aberto. A sessão foi marcada por reações acaloradas de senadores, vários dos quais não aceitaram a mudança do rito para escolha do novo presidente. Sem acordo, a sessão foi suspensa e remarcada.

Após cinco horas de discussões, bate-boca e muita confusão, os senadores decidiram acatar a proposta feita pelo senador cearense Cid Gomes (PDT) e adiou para as 11 horas deste sábado a eleição do presidente do Senado Federal.

Cid disse que vinha há dois meses discutindo o processo de eleição da Casa e que tudo que previu estava acontecendo, isto é, o acirramento de ânimos e a falta de entendimento dos senadores. Ele ponderou que o presidente da sessão, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) colocasse em votação, para que não houvesse impasse, a proposta de suspensão da sessão.

Além disso, pontuou o compromisso que a próxima sessão teria em ser presidida pelo mais idoso. “Se o senhor não for candidato tem total legitimidade para ser o presidente, mas, do contrário, o senhor deve declinar sim e passar para o mais idoso” – frisou.

Alcolumbre acatou a questão de ordem que foi aprovada pela maioria e marcou a sessão de eleição para as 11 horas deste sábado, sob protestos da bancada do MDB, que acredita que ele não teria legitimidade para convocar a sessão.

Antes da proposta de Cid, diversos senadores se pronunciaram propondo o adiamento da sessão para a próxima terça-feira, o que seria impossível já que na segunda, dia 4, o presidente do Congresso já deve ser conhecido para receber a mensagem do Presidente da República ao Legislativo Brasileiro.