Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Servidores do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran/CE) paralisam as atividades por duas horas nesta sexta-feira (24). O ato foi um  alerta dos trabalhadores contra o projeto de monitoramento “indevido”, anunciado pelo órgão para o próximo mês. A medida foi tomada pelo superintendente do órgão, Igor Ponte e visa fiscalizar a área de exames e demais setores, excluindo as salas da diretoria.

Para a presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área de trânsito do Ceará (Sindetran/CE), Eliene Uchoa, a medida é abusiva e contrária ao pensamento do servidor que tem Fé Pública e promete ingressar com uma Ação Civil Pública no MP contra o monitoramento. Os sindicalistas criticam o projeto adotado pelo gestor do Detran/CE, uma vez que as salas das respectivas gerências não serão monitoradas.

Eliene Uchôa denuncia, ainda, que o gestor do Detran visa aumentar a terceirização no órgão, já que há 33 anos não acontece concurso público. A entidade representativa dos trabalhadores recorda ainda a época da implantação de duas empresas terceirizadas que funcionam no Detran/ Maraponga, sendo uma delas na confecção de carteiras de habilitação, antes fabricadas pelo servidor concursado, que atualmente é proibido de entrar no setor.

Os trabalhadores também deliberaram pela restruturação do Plano de Cargos e Carreiras (PCCs), o aumento da gratificação das operações extraordinárias, campanha em defesa da dignidade e valorização dos profissionais e construção de agenda de lutas pela moralização no Detran/CE.