Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Sindicato dos Médicos do Ceará acionou o Ministério Público Estadual, por meio  da  Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde Pública, para cobrar da Prefeitura de Fortaleza providências legais cabíveis quanto à situação do Posto Dom Antônio Lustosa, localizado no Bairro Granja Lisboa. Há um  ano, de acordo com a denúncia,  a Prefeitura mantém, nessas condições, a unidade de saúde funcionando em cima de um mercadinho.

Segundo, ainda, a denúncia do Sindicato dos Médicos, após inúmeras queixas e reclamações relatadas por profissionais e pacientes, o presidente da entidade, Edmar Fernandes, comprovou in loco a gravidade da situação.

Diante de tantos casos que demonstram o desrespeito com a saúde pública, este realmente impressiona. Esta é a primeira vez que tenho ciência de um posto de saúde funcionando no andar de cima de um mercadinho. É inadmissível e triste esse descaso”, declarou Fernandes, ao retratar, em suas palavras, a insensibilidade do poder público municipal com quem precisa de atendimento médico na área da Granja Lisboa.

A Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Médicos em comunicado aos veículos de comunicação destaca que o espaço  foi cedido pelo proprietário, em um ato de solidariedade à comunidade, que ficaria desassistida devido à reforma do posto iniciada em julho de 2018 pela Prefeitura de Fortaleza, cuja previsão de conclusão era de apenas dois meses. ‘’Em todo este tempo, os custos com o local, como energia elétrica, água e internet, estão sob responsabilidade integral do proprietário’’, observa a nota do sindicato.


O comunicado do Sindicato dos Médicos relata, ainda, que ‘’o local recebe, diariamente, dezenas de pacientes, entre crianças, idosos e gestantes. Estes são consultados por médicos alocados em salas inadequadas, estabelecidas junto a um outro espaço no qual são ministradas aulas para adultos’’. O Sindicato anuncia que seguirá acompanhando o caso e solicitando para que os órgãos competentes tomem as medidas cabíveis para solucionar esta situação grave e inaceitável.

(*) Com informações do Sindicato dos Médicos do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp