Bolsonaro e apoiadores correm contra o tempo para que novo partido esteja nas eleições de 2020

Membros da comissão executiva provisória e deputados federais do PSL que almejam migrar para a nova sigla pretendem acelerar a busca por apoiadores.

Compartilhe:

Passadas as festividades de fim de ano, o Aliança pelo Brasil, partido que o presidente Jair Bolsonaro pretende criar, retoma os esforços para a coleta de assinaturas físicas de apoiadores. Contando com o apoio de igrejas e entidades empresariais, os integrantes da futura agremiação já reuniram mais de 110 mil rubricas, mas precisam alcançar exatos 492.015 apoios para ganhar o registro na Justiça Eleitoral, a tempo de participar das eleições municipais de outubro. Membros da comissão executiva provisória e deputados federais do PSL que almejam migrar para a nova sigla pretendem acelerar a busca por apoiadores.

No Ceará, os deputados estaduais André Fernandes e Delegado Cavalcante tem unido esforços para mobilizar voluntários e apreciadores da sigla a fim de recolher assinaturas em empresas e organizações religiosas para atingir o percentual de 0,5% dos votos na última eleição geral para a Câmara dos Deputados, exigido pelo Tribunal Superior Eleitoral.

O critério de 0,5% dos votos ainda falta ser preenchido, mas o aval de 0,1% do eleitorado em nove estados já foi atingido. Os organizadores apostam na descentralização para alcançar o objetivo. O presidente Jair Bolsonaro é também o presidente da comissão provisória do Aliança. Pelas atribuições que exerce como chefe de Estado, mantém a influência e a palavra final nas ações da futura legenda, mas acatou, com a Executiva Nacional, a decisão de dividir as atribuições pela coleta de assinaturas nos estados, com a ajuda de deputados federais dissidentes do PSL.

Apesar da confiança de membros do Aliança pelo Brasil e deputados federais do PSL em constituir o partido ainda este ano, alguns não estão seguros da possibilidade de a legenda ser homologada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a tempo de disputar as eleições municipais. O tempo é curto. As 492 mil assinaturas exigidas precisam ser coletadas até março, uma vez que 4 de abril é a data limite para que os partidos interessados em participar do pleito tenham os registros aprovados pela Corte.

 

Compartilhe:

Leia a Anterior

Eleições de 2020 terão novas regras e cearenses precisam ficar atentos; veja o que muda

Leia a Próxima

Bancos e empresas intensificam consultas ao cadastro positivo nesta semana