Combate ao coronavírus: sem esperar pelo Governo Federal, Roberto Cláudio fortalece rede municipal da Capital

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), decidiu não esperar pelo Governo Federal e acelerou, nas últimas 24 horas, ações para fortalecer a rede municipal de saúde voltada ao atendimento de pacientes com coronavírus. Uma das iniciativas é a capacitação de 75 novos médicos que atuarão, a partir desta quinta-feira, nas unidades da saúde da Capital.

A capacitação profissional é uma parceria do Município com o Governo do Estado por meio da Escola de Saúde Pública (ESP). Outra medida é a abertura, no IJF2, de 42 novos leitos de UTIS. Uma das metas do Município, segundo Roberto Cláudio, é oferecer, até o mês de maio, 175 leitos de Unidades de Terapia Intensiva.

‘’É para aqueles pacientes do coronavírus que acabam desenvolvendo sintomas respiratórios mais graves e, pelos fatores de risco, precisam ser entubados’’, observou.

Uma das preocupações externadas pelo Chefe do Executivo Municipal é quanto ao isolamento social.

“A melhor forma da gente enfrentar o vírus é prevenir através do isolamento social. Ainda temos pessoas circulando e é importante dizer que mesmo pessoas saudáveis podem ser agentes transmissores. E os idosos vão pagar esse preço em virtude de um comportamento que não é solidário. Cada um de nós precisa ser agente de promoção da saúde pública na cidade de Fortaleza”, observou.

O prefeito Roberto Cláudio destacou, ainda, o trabalho do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), essencial para fazer o transporte sanitário de pessoas que apresentam a doença.

“Os pacientes diagnosticados precisam de transporte seguro para irem aos locais onde serão atendidos. Quem faz esse transporte é nossa equipe do SAMU que está com a frota completa. Inclusive hoje, autorizamos mais uma UTI móvel para facilitar o transporte sanitário”, afirmou.

Leia a Anterior

Postos da Ceasa intensificam ações de combate ao Covid-19

Leia a Próxima

Ceará tem mais de 200 casos de pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus