Corrida eleitoral na Capital: sem coligações proporcionais, partidos começam a fazer pré-seleção de candidatos a vereador

Com as mudanças na lei, a corrida pela Prefeitura poderá ter, em 2020, o maior número de candidatos a prefeito

Câmara Municipal de Fortaleza / Foto: Reprodução

As mudanças na legislação eleitoral que entram em vigência a partir de 2020 e colocam um fim nas coligações proporcionais (vereador) poderão estimular os partidos a lançarem mais candidatos a prefeito nas cidades da Grande Fortaleza e do Interior do Ceará.

Essa medida seria uma estratégia para os candidatos a vereador somarem mais votos e garantirem vagas no Legislativo. Sem as coligações proporcionais, as siglas poderão optar pelo lançamento de candidaturas majoritárias (prefeito) e buscar votos para elegerem, pelo menos, um vereador.

Com as mudanças na lei que disciplina as eleições, a corrida pela Prefeitura poderá ter, em 2020, o maior número de candidatos a prefeito. A linha de raciocínio entre lideranças e dirigentes partidários é que, com um candidato a prefeito, os candidatos a vereador podem brigar por mais votos e, com isso, ampliar as chances de presença no Legislativo Municipal.

‘Peneira’

O quadro que prevaleceu em 2016, quando estava em vigência a formação de coligações proporcionais, muitos candidatos entraram na corrida pelas Câmaras de Vereadores, mas perdiam o entusiasmo no meio da campanha porque se sentiam trabalhando apenas para eleger os concorrentes – dentro da mesma coligação, que apresentavam maior potencial de votos.

As regras na eleição de 2020 serão outras e, nesse momento, os partidos começam a fazer uma triagem para escolha de candidatos a vereador, principalmente, nas grandes e médias cidades. Em Fortaleza, alguns partidos começaram a fazer a ‘peneira’ e reunir potenciais candidatos, mas o movimento tem sido discreto para evitar o vazamento de informações e o olhar dos partidos que querem atrair nomes de peso eleitoral.

Leia a Anterior

Servidores públicos do Ceará passam por dificuldades na busca de atendimento médico

Leia a Próxima

Supremo aguarda explicações de Bolsonaro sobre armas de fogo nesta quarta-feira (22)