Covid-19: testes da vacina não incluem cearenses, mas benefícios serão para todos

Compartilhe:

Os profissionais da área da saúde do Ceará que estão na linha de frente do atendimento às vítimas da pandemia do coronavírus não farão parte dos testes da vacina contra à doença anunciados, nesta segunda-feira (6), pelo Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), mas os resultados da pesquisa beneficiarão todos os brasileiros. Se a vacina for aprovada, é provável, pelas projeções das autoridades de saúde que, no primeiro trimestre de 2021, a proteção esteja disponível para o público.

A Vacina da empresa chinesa Sinovac começa a ser testada a partir do próximo dia 20 em profissionais da saúde que atendem os pacientes da Covid-19 nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná e no Distrito Federal. Ao todo, serão recrutados 9.000 voluntários. Esta é a segunda vacina a receber autorização para testes no Brasil. Em junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a realização de ensaios clínicos de uma vacina produzida na Universidade de Oxford, na Inglaterra.

“É um passo importante na vida do país e na vida e saúde de milhões de brasileiros. Torcemos também para que a vacina de Oxford produza resultado e possa ser produzida para termos duas vacinas em condição de imunização de milhões de brasileiros”, disse o governador de SP, Joao Doria, durante entrevista nesta segunda-feira.

De acordo com as informações do Governo de São Paulo, a CoronaVac, como é chamada a vacina, já foi administrada com sucesso em cerca de mil pessoas na China. Antes, foi aprovada em testes feitos em macacos.


O protocolo de testes da vacina estabelece que os profissionais de saúde que trabalham no atendimento a pacientes com covid-19 devem preencher alguns critérios, como não ter infecção prévia por SARS-CoV-2; não participar de outros estudos; não estar grávida ou planejar engravidar nos primeiros três meses de estudo; não ter doenças instáveis que afetem a resposta imune ou que precisem de medicações que alterem a resposta imune; não ter outras alterações que impeçam o cumprimento dos procedimentos de estudo (alterações mentais, distúrbios de coagulação, etc).

Embora profissionais de saúde do Ceará não sejam recrutados para os testes, todos estão de olho no resultado dos estudos da vacina que pode proporcionar a retomada da normalidade na vida dos brasileiros. O Instituto Butantan vai divulgar nos próximos dias o material de recrutamento e um aplicativo para celular capaz de identificar se o profissional da saúde que se voluntariou atende os critérios estabelecidos.

Compartilhe:

Leia a Anterior

Plano Safra 2020/2021 financia R$ 601 milhões para agricultores cearenses

Leia a Próxima

Carlos Matos realiza live com Heitor Férrer sobre os desafios de Fortaleza