Doação domiciliar de leite materno é fundamental para manter estoques no Ceará

Compartilhe:

Quando ainda estava grávida, Maria Gleise Vasconcelos Matos, 34, soube que poderia ser doadora de leite materno. Ao dar à luz Helena, hoje com cinco meses, a estudante universitária procurou a equipe do Banco de Leite do Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, da rede pública da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado.

“Doar leite para mim é libertador. É abraçar de longe, de alma”, reflete.

Gleise conta que a equipe do banco de leite foi à sua casa para o preenchimento do questionário, realização de testes rápidos de Covid-19 e fornecer orientação sobre como deveria ser a doação.

“Sempre quando amamento minha filha, como mãe, penso em todas as mães que têm seus bebês prematuros e não podem amamentá-los. E me reconforta saber que eu posso ajudar. Pretendo doar o máximo que puder”, ressalta.

Para a nutricionista e coordenadora do Banco de Leite do HRN, Samara de Andrade, a doação é um ato de solidariedade, que pode ser colocado em prática por todas as mulheres saudáveis em processo de amamentação.

“ Mesmo ficando em casa, as doadoras transformam vidas, porque o leite materno doado no domicílio vai ajudar a salvar bebês que estão internados em estado grave. Elas estão sendo heroínas em tempo de pandemia”, destaca.

Durante a pandemia, o Hospital Geral de Fortaleza (HGF), também da rede estadual, buscou alternativas para manter a captação de doadoras, como a realização de teleconsultas com as mães que tiveram filhos na unidade. Para isso, o banco de leite do Hospital mantém, diariamente, os contatos atualizados das mães que estiveram no alojamento conjunto do HGF.

A enfermeira da assistência do Banco de Leite do HGF, Ana Márcia Bustamante, reforça a importância das teleconsultas neste momento.

“Como não estamos podendo receber essas mães aqui no nosso espaço físico por conta da pandemia, a teleconsulta é essencial. Nossa equipe da assistência liga tanto para prestar orientações sobre como fazer uma boa amamentação, quanto para incentivar que essas mães sejam doadoras”, frisa.

Além do leite materno, a doação de frascos para armazenar o produto é fundamental para os bancos da rede estadual. A enfermeira do Banco de Leite do HGF lembra que qualquer pessoa pode doar os recipientes e explica como deve ser o frasco para doação.

“O frasco deve ser de vidro e com a tampa plástica rosqueável, como os de café solúvel. O ideal é que eles tenham o tamanho pequeno ou médio. Aqui no HGF, a pessoa que quiser doar frasco pode ligar, que nós vamos buscar em casa”, ressalta.

(*) Com informações do Governo do Estado do Ceará.

Compartilhe:

Leia a Anterior

Beto Almeida defende cota racial na divisão da verba eleitoral e afirma: “Igualdade é uma lenda”

Leia a Próxima

Programação online auxilia a preparação de alunos no mês de julho